Comissão de Ética decide por censura por escrito a vereador de Bento Gonçalves - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Política22/08/2018 | 19h56Atualizada em 23/08/2018 | 09h18

Comissão de Ética decide por censura por escrito a vereador de Bento Gonçalves

Neri Mazzochin (PP) era investigado por suposta quebra de decoro devido à publicação de foto de uma mulher nua em uma de suas redes sociais

Comissão de Ética decide por censura por escrito a vereador de Bento Gonçalves Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

A Comissão de Ética Parlamentar da Câmara de Bento Gonçalves decidiu punir o vereador Neri Mazzochin (PP) com uma censura por escrito, baseada no artigo 4, inciso 9º do Código de Ética que diz que o vereador deve preservar a imagem da Câmara Municipal. A reunião de votação do parecer ocorreu na terça-feira e durou uma hora e 30 minutos.

Leia mais:
Comissão de Ética da Câmara de Bento Gonçalves apura suposta quebra de decoro

Mazzochin era investigado por suposta quebra de decoro devido à publicação de foto de uma mulher nua em uma de suas redes sociais. O episódio ocorreu no dia 18 de junho e tornou-se público ainda durante a sessão ordinária em que os vereadores votavam a revisão do Plano Diretor da cidade.

O parecer do relator da comissão, vereador Jocelito Tonietto (PDT), previa penalidades como a censura por escrito e a suspensão das atividades do vereador por 60 dias.

Segundo o presidente da Comissão, vereador Rafael Pasqualotto (PP), a comissão entendeu acatar o relatório parcialmente com a censura. Já não houve amparo legal para suspender Mazzochin.

– Entendemos que a imagem da Câmara foi afetada, embora não tenha sido proposital. O vereador se defendeu dizendo que teve sua rede social hackeada. A última (punição) que era a suspensão (do vereador) não tivemos como justificar. 

Pasqualotto esclarece que o Artigo 12 do Código de Ética diz que, para haver uma suspensão de mandato, o vereador precisa ter reincidido na quebra de decoro, e que não era o caso. Ele explica ainda que, no inciso 2º do mesmo artigo, o texto diz que, para o vereador ser punido, precisa revelar informações de documentos oficiais, fraudar o regulamento do Legislativo ou usar o cargo para constranger ou aliciar servidor.

Procurado pela reportagem, Mazzochin disse que não tinha recebido a informação sobre a aplicação da censura, e que não iria se manifestar sobre a decisão da Comissão de Ética.

Leia também:
Plano de ocupação da Maesa, em Caxias, terá três etapas
Liminar suspende decreto municipal que restringe locais para campanha eleitoral em Caxias
Retirada de medicamentos na UPA de Caxias passará a funcionar 24 horas a partir de setembro


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros