Boulos é o primeiro a registrar candidatura à Presidência no TSE - Política - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Eleições 201806/08/2018 | 18h39Atualizada em 22/08/2018 | 11h18

Boulos é o primeiro a registrar candidatura à Presidência no TSE

Na lista de bens declarados à Justiça Eleitoral, o candidato informou que possui patrimônio de R$ 15,4 mil

Boulos é o primeiro a registrar candidatura à Presidência no TSE Divulgação/Divulgação
Foto: Divulgação / Divulgação
Agência Brasil
Agência Brasil

O candidato à Presidência da República Guilherme Boulos (PSOL) registrou nesta segunda-feira sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Boulos foi o primeiro a fazer o pedido para concorrer às eleições de outubro. Sônia Guajajara será candidata a vice. 

Leia mais
Três caxienses confirmados nas eleições majoritárias

Ao solicitar o pedido de registro ao TSE, o candidato informou que a coligação Vamos sem Medo de Mudar o Brasil será formada pelo PSOL e PCB. Na lista de bens declarados à Justiça Eleitoral, o candidato informou que possui patrimônio de R$ 15,4 mil, valor cadastrado como veículo automotor terrestre, caminhão, automóvel, moto. Sônia Guajajara declarou R$ 11 mil depositados em uma poupança.

Guilherme Boulos nasceu na capital paulista, tem 35 anos, é filho de dois médicos e professores da Universidade de São Paulo (USP). É filósofo formado pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, na qual ingressou no ano 2000. Também é psicanalista, professor e escritor.

A vida política de Boulos começou em 1997, aos 15 anos, quando ingressou no movimento estudantil como militante na União da Juventude Comunista (UJC). Depois conheceu o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), do qual é coordenador.

Sônia Guajajara é índia da etnia Guajajara/Tentehar, da Terra Indígena Arariboia, no Maranhão. Filha de pais analfabetos, ela deixou o lugar onde nasceu pela primeira vez aos 15 anos, quando recebeu ajuda da Fundação Nacional do Índio (Funai) para cursar o ensino médio em Minas Gerais. Depois, voltou para o Maranhão, onde se formou em letras e enfermagem e fez pós-graduação em educação especial.

Militante indígena e ambiental, Sônia lutou contra projetos que ameaçavam o meio ambiente, ganhando projeção internacional pela luta travada em nome dos direitos dos índios e voz ativa no Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU). 

Leia também
Em palestra na CIC de Caxias do Sul, vice de Bolsonaro apresenta propostas
Charge do Iotti desta segunda
Eleições terão 14 candidatos ao governo Federal e 8 ao governo do Estado

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros