PSL oficializa Bolsonaro como candidato à Presidência - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Eleições 201822/07/2018 | 17h51Atualizada em 22/08/2018 | 11h45

PSL oficializa Bolsonaro como candidato à Presidência

Janaina Paschoal diz que ainda está indecisa sobre convite para vice

PSL oficializa Bolsonaro como candidato à Presidência Fernando Frazão/Agência Brasil
Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil
Agência Brasil
Agência Brasil

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), 63 anos, foi confirmado neste domingo como o candidato à Presidência da República nas eleições deste ano pelo PSL. Embora presente à convenção do partido ao qual se filiou, a advogada Janaina Paschoal disse que ainda não aceitou o convite para ser vice.

Leia mais
Vice na chapa de Ciro Gomes será escolhido pela Executiva do PDT

O partido tem até 5 de agosto para anunciar quem irá compor a chapa. 

— Nenhum partido anunciou seu vice ainda. A gente não foge de um filiado ao PSL ou de algum militar que esteja na ativa. A nossa lagoa é muito pequena para pegar um vice, mas vai sair um de qualquer maneira — disse o deputado.

O candidato do PSL discursou por 55 minutos para uma plateia inflamada que encheu o salão do Centro de Convenções Sul-América, no centro do Rio de Janeiro, com capacidade para 3 mil pessoas.

— Eu sei o desconforto que venho causando. Eu sou o patinho feio desta história, mas tenho certeza que seremos bonito brevemente — disse Bolsonaro.

Propostas

Apesar de afirmar que seu programa de governo não está concluído, Bolsonaro adiantou que quer excluir o das Cidades e fundir pastas como Fazenda e Planejamento, assim como Agricultura e Meio Ambiente.

O candidato prometeu ainda, se eleito for, privatizar estatais. Também não adiantou nomes, mas garantiu enxugar a Petrobras, que segundo ele "tem muitos braços'. Também afastou qualquer possibilidade de ocupação política em cargos executivos nos Bancos Central, do Brasil e Caixa Econômica Federal.

Sem vice

A advogada Janaina Paschoal frustrou a plateia, que já a saudava como vice, ao anunciar que ainda não tem resposta ao convite feito pelo partido. Inicialmente, ela pensou no cargo de deputada estadual por São Paulo.

— Nós iniciamos um diálogo bastante profícuo. Entendemos que para uma parceria de quatro anos esse diálogo precisa ser mais pormenorizado, porque é um trabalho conjunto. Então não é possível tomar uma decisão em dois dias — disse ela.

Isolamento

Com exceção dos políticos do PSL, discursaram apenas o general de Exército Augusto Heleno (PRP), que chegou a ser convidado para o cargo de vice, mas não comporá a chapa, e o senador Magno Malta (PR-ES).

No entanto, o isolamento político na campanha até agora foi contestado por Bolsonaro, que garante já ter entendimentos de apoio com 110 parlamentares de partidos do chamado de Centrão e que aparentemente não está preocupado com os restantes.

— Agradeço ao Alckmin por juntar o que há de pior do Brasil ao seu lado — criticou o candidato.

Participaram da convenção a mulher de Bolsonaro, Michele, os filhos Carlos, Eduardo e Flávio — este último confirmado como candidato do partido ao Senado pelo Rio de Janeiro. Também estavam presentes o coordenador do programa econômico da campanha, o economista Paulo Guedes, o presidente em exercício do PSL, Gustavo Bebbiano, e o vice-presidente nacional, Julian Lemos.

Leia também
Mateus Bandeira é confirmado candidato a governador pelo Novo
PSB aprova apoio a Sartori nas eleições de outubro
Paulo Rabello, candidato a presidente pelo PSC, diz que seria simpático ter mulher como vice

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros