PMN decide não ter candidato à Presidência nem fazer alianças - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Eleições 201822/07/2018 | 15h49Atualizada em 22/08/2018 | 11h48

PMN decide não ter candidato à Presidência nem fazer alianças

Nome da jornalista Valéria Monteiro foi rejeitado pelo partido

PMN decide não ter candidato à Presidência nem fazer alianças Valter Campanato/Agência Brasil
Foto: Valter Campanato / Agência Brasil
Agência Brasil
Agência Brasil

O Partido da Mobilização Nacional (PMN) decidiu em convenção neste sábado, em Brasília, não lançar candidatura própria à presidência da República nem apoiar candidato ao cargo no primeiro turno.

Leia mais
Avante não terá candidato próprio na disputa à Presidência
PSTU confirma candidatura de Vera Lúcia e não fará coligação

O encontro ocorreu em meio a uma disputa judicial entre a legenda e a jornalista mineira Valéria Monteiro, pré-candidata à Presidência da República. Segundo o presidente da sigla, Antonio Massarolo, os problemas entre Valéria e o PMN se agravaram quando o nome dela não atingiu 3% de intenções de voto nas pesquisas eleitorais. Segundo ele, esse era o pré-requisito para que ela fosse confirmada como candidata à chefe do Executivo, mas como a meta não foi alcançada o apoio foi retirado.

Em março, já sem apoio da Executiva Nacional do PMN, a ex-apresentadora do Fantástico e do Jornal Nacional, insistiu na pré-candidatura e fez uma carta ao partido na qual abriu mão das verbas dos fundos partidário e eleitoral.

Liminar

Para garantir que a jornalista não fosse candidata, o partido publicou uma resolução vetando candidatura presidencial própria.

Valéria conseguiu revogar a decisão por meio de liminar do ministro Napoleão Nunes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nela, o ministro determinou que a legenda colocasse em pauta durante convenção nacional se teria ou não um nome na corrida presidencial.

Como não era delegada com direito a voto, Valéria foi impedida de discursar na convenção e defender sua candidatura, mesmo pedindo aos gritos a palavra.

Ameaçada de ser retirada do auditório à força pelo presidente do PMN, ela chegou a ser empurrada e segurada por uma mulher que fazia parte da equipe de segurança privada do evento. Em seguida, deixou o local espontaneamente, garantindo que tentará anular a convenção do PMN na Justiça.

Expulsão

A confusão envolvendo Valéria Monteiro não foi a única na convenção do PMN. Também impedido de se colocar como candidato ao Senado pela Bahia, Marivaldo Neves foi expulso por seguranças do auditório, após fazer críticas ao presidente do partido. De acordo com o presidente da legenda, a pré-candidatura de Neves não foi aceita porque ele não tem "vida partidária".

Leia também
Pré-candidatos ao Governo do Estado em campanha aberta
Partidos têm até 5 de agosto para oficializar candidaturas
Cerca de 4,5 mil eleitores devem ser convocados para trabalhar nas eleições em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros