UAB ainda espera por CPI na Câmara de Vereadores de Caxias do Sul - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Legislativo21/06/2018 | 20h30Atualizada em 21/06/2018 | 20h30

UAB ainda espera por CPI na Câmara de Vereadores de Caxias do Sul

Segundo a entidade, faltam quatro assinaturas para investigação contra o prefeito Daniel Guerra

UAB ainda espera por CPI na Câmara de Vereadores de Caxias do Sul Felipe Padilha/Divulgação
Foto: Felipe Padilha / Divulgação

Quatro vereadores já teriam garantido o apoio à União das Associações de Bairros (UAB) na intenção da entidade comunitária de conseguir a abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar possível infração político-administrativa e ato de improbidade contra o prefeito Daniel Guerra (PRB). O pedido de CPI foi levado à Câmara na semana passada. Porém, para ela poder funcionar, é preciso a assinatura de um terço dos 23 parlamentares, ou seja, oito.

Leia mais:
UAB calcula mais de 10 assinaturas para instalar CPI contra prefeito de Caxias do Sul

A CPI tem nome, conforme o documento protocolado pelo presidente da entidade, Valdir Walter, e pelo presidente da Assembleia Geral da UAB, Paulo Sausen: CPI da Lista Negra. O nome é referência à denúncia de represália do líder do governo, vereador Chico Guerra (PRB), ao presidente da Associação de Moradores do bairro Cânyon, Marciano Correa da Silva. A ordem teria partido do prefeito, conforme sugerido pelo líder do governo em troca de áudios com o ex-coordenador de Relações Comunitárias, Rafael Bado. A orientação foi para não atender às demandas do líder comunitário. A medida seria um “corretivo” contra as críticas ao governo municipal e a ameaças de Marciano contra o vereador. Chico diz ainda que Marciano é o número um de uma “lista negra” da administração  municipal.

Walter, ainda acredita que conseguirá mais de 10 assinaturas para a abertura da CPI.

– Já temos quatro vereadores garantidos, e os outros estão consultando suas bases e ainda lendo o documento.

Os nomes dos vereadores que demonstraram interesse em assinar a CPI não são revelados a pedido dos próprios parlamentares, diz Walter. Otimista, o presidente da UAB acredita que pode apresentar o documento com as assinaturas necessárias até o final da semana.

– Sexta teremos novidades. Com oito assinaturas, a CPI já se sustenta.

Líder do PSB diz que bancada não vai assinar o requerimento

Na semana passada, Edi Carlos, líder da bancada do PSB, disse que os socialistas não vão assinar a CPI. Apesar da manifestação, Walter segue buscando apoio da sigla.

– O presidente (Alberto Meneguzzi) não pode assinar por causa do cargo que ocupa. Tem ainda dois vereadores (no PSB).

Questionado se iria buscar a assinatura de Edi Carlos mesmo com a manifestação contrária à CPI, o presidente da UAB criticou o socialista.

– Ele ganhou uma, duas “obrinhas” (do governo municipal) e está mudando de lado.

Com a crítica, Walter pretende conquistar a assinatura do vereador Wagner Petrini, que recentemente assumiu a cadeira na vaga de Edio Elói Frizzo (PSB). 

Nos bastidores, fala-se que a posição contrária do PSB à CPI da Lista Negra é devido à tramitação do terceiro pedido de impeachment de Guerra. O PSB alega que os demais vereadores de oposição deixaram Frizzo sozinho e se negaram a votar pela cassação do prefeito. 

– Estão magoados. É muita vaidade – deixou escapar uma fonte que pediu para não ser identificada.

Leia também:
Com ajuda da comunidade, menino com tumor grave de Bento Gonçalves passa por cirurgia nesta quinta-feira
Processo contra padre Ezequiel Dal Pozzo é arquivado


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros