Proximidade com prefeito de Caxias não constrange relator de subcomissão que analisa processo contra líder do governo - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Mirante23/06/2018 | 10h00Atualizada em 23/06/2018 | 10h00

Proximidade com prefeito de Caxias não constrange relator de subcomissão que analisa processo contra líder do governo

Vereador Edi Carlos diz que a fala do irmão de Daniel Guerra foi grave, mas é dele e não do governo

Proximidade com prefeito de Caxias não constrange relator de subcomissão que analisa processo contra líder do governo Guilherme Manchini/Divulgação
Vereadores do PSB, Wagner Petrini (Muleke) e Edi Carlos Pereira de Souza, fizeram foto com o prefeito na festa do aniversário de Caxias Foto: Guilherme Manchini / Divulgação

O vereador Edi Carlos Pereira de Souza (PSB) não vê problemas na sua aproximação com o prefeito Daniel Guerra (PRB) e o fato de ser relator da Subcomissão de Ética Parlamentar no processo administrativo disciplinar contra o líder de governo Chico Guerra (PRB). Ele considera grave as declarações do irmão do prefeito na conversa com o ex-coordenador de Relações Comunitárias, Rafael Bado. Os áudios vazados revelaram que o líder do governo sugeriu que o presidente da Amob Cânyon, Marciano Correa da Silva, recebesse um “corretivo”. Também foi dito que Marciano é o número um na lista negra do governo.

Leia mais
"Corretivo" sugerido pelo líder do governo de Daniel Guerra começa a ser analisado
Comissão de Ética vai intimar Chico Guerra por suposta represália a líder comunitário do Cânyon, de Caxias

Na quarta-feira, Edi Carlos participou das comemorações dos 128 anos do aniversário de Caxias do Sul, no Largo do Centro Administrativo, e fez foto com o prefeito. Mesmo assim, ele garante que segue na oposição, a exemplo de seu partido.

— Essa aproximação é de vereador eleito pelo povo e de prefeito eleito pelo povo. O PSB é oposição. Não tenho nenhum problema em dar o parecer — afirma Edi Carlos, questionado sobre um posicionamento isento.

Quanto a participar das atividades, ele diz que não é porque seu partido é de oposição que ele não poderá ir na festa de aniversário da cidade, da mesma forma que esteve em outros eventos. Ele cita a reunião-almoço na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC), em que o prefeito era o palestrante, e foi anunciada a construção do acesso ao bairro Planalto, na BR-116, uma bandeira antiga do socialista.

— Toda vez que precisar estar com o prefeito nestas condições, vou estar — declara.

Ouça
Áudio: o que foi notícia na coluna Mirante

"Não foi o prefeito que falou"

Especificamente sobre as declarações do líder de governo e que estão em análise na subcomissão, mediante requerimento de autoria do vereador Rafael Bueno (PDT), o relator diz que são de Chico Guerra. Ele livra o prefeito de responsabilidade.

— Foi grave a fala do vereador Chico, mas é dele e não do governo, não foi o prefeito que falou. Envolve diretamente o vereador Chico — frisa Edi Carlos, embora Chico seja a voz do governo na Câmara. 

O líder do governo deve entregar sua defesa por escrito, até quarta-feira.

— Vamos ver as explicações dele. É grave o "corretivo", claro, mas só vamos falar algo após receber a defesa — encerra.

Leia também
"Vou até o final deste governo", diz novo secretário de Saúde da prefeitura de Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros