"Corretivo" sugerido pelo líder do governo de Daniel Guerra começa a ser analisado - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Mirante20/06/2018 | 08h26Atualizada em 20/06/2018 | 13h10

"Corretivo" sugerido pelo líder do governo de Daniel Guerra começa a ser analisado

Vereador Rafael Bueno (PDT) prestou depoimento defendendo punição a Chico Guerra (PRB)

"Corretivo" sugerido pelo líder do governo de Daniel Guerra começa a ser analisado Daniel Corrêa / Divulgação/Divulgação
Rafael Bueno falou à Subcomissão de Ética Parlamentar Foto: Daniel Corrêa / Divulgação / Divulgação

O vereador Rafael Bueno (PDT) prestou depoimento, nesta terça-feira, à Subcomissão de Ética Parlamentar, como autor do requerimento pelo processo administrativo disciplinar contra o líder do governo Chico Guerra (PRB). Começa a ser apurado o "corretivo" sugerido pelo líder de governo ao presidente da associação de moradores do bairro Cânyon, Marciano Correa da Silva, em conversa com o ex-coordenador de Relações Comunitárias, Rafael Bado. 

Leia mais
"Corretivo" e "lista negra" indicam possível retaliação do governo Daniel Guerra  
"Se eu erro, tenho que pagar pelo erro", diz Chico Guerra. Confira a entrevista

A ênfase em busca de punição defendida por Bueno é de que nunca na história da cidade houve situação similar, em que ficou nítida a demonstração de falta de respeito e intenção de represálias aos opositores, com reflexos na comunidade. O pedetista destacou que a sociedade exige resposta da subcomissão, pois não há como negar a existência dos fatos. Pediu que a apuração ocorra com responsabilidade e imparcialidade.É inegável a gravidade das declarações de Chico Guerra. Ainda mais porque o líder de governo diz ser este o posicionamento do prefeito Daniel Guerra (PRB) ao afirmar na gravação: "Ele (prefeito) mandou recado e disse que, realmente, tem que mudar a postura totalmente com o cara (Marciano), não dar espaço mais nenhum e botar ele pra correr. Ele tem que sentir na pele. O número um da lista negra para qualquer providência".

Mesmo que o governo tente amenizar, dizendo que as demandas do bairro foram atendidas, e Chico tenha mostrado o vídeo em que Marciano fala em erguer (ele e o vereador Renato Nunes, PR) na "adaga" e no "pranchaço", caso façam campanha no bairro Vila Ipê, não tiram o peso das palavras proferidas na conversa. Ali, veio à tona a forma como o governo reage diante dos adversários.

Já houve uma tentativa de desviar o foco, com o registro do BO por parte da secretária do Meio Ambiente, Patrícia Rasia, contra os 29 denunciantes do terceiro pedido de impeachment do prefeito Daniel Guerra (rejeitado em abril). Acabou provocando efeito contrário. Nesta terça-feira, foi arquivado o quarto pedido de cassação do prefeito, o que era óbvio. O próprio autor, o comerciante Luis Carlos Ferreira Junior, havia solicitado a retirada. Embora a retirada tenha sido indeferida por questões legais, a rejeição ao processo era evidente frente ao desgaste com o uso exaustivo de pedido de impeachment e pela instalação dos trabalhos da Subcomissão de Ética.

Mas é fato que há, sim, muita expectativa em torno de como o Legislativo irá se posicionar. Os olhares estão voltados para a "ética", principalmente depois das várias manifestações indignadas na Casa quando o áudio foi divulgado. 

Leia também
Irmã do prefeito de Caxias e pré-candidata a deputada ganha exposição no site da prefeitura
Câmara de Vereadores rejeita quarto pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul
Operação do Ministério Público investiga irregularidades no transporte escolar de Ipê

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros