"Corretivo" e "lista negra" indicam possível retaliação do governo Daniel Guerra   - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Mirante06/06/2018 | 18h49Atualizada em 06/06/2018 | 20h29

"Corretivo" e "lista negra" indicam possível retaliação do governo Daniel Guerra  

Áudio com conversa entre vereador Chico Guerra e ex-coordenador de Relações Comunitárias revela pensamento da administração municipal sobre quem a desagrada

"Corretivo" e "lista negra" indicam possível retaliação do governo Daniel Guerra   Franciele Masochi Lorenzett/Divulgação
Chico Guerra coloca governo de seu irmão em situação preocupante Foto: Franciele Masochi Lorenzett / Divulgação

O líder do governo Daniel Guerra (PRB) na Câmara de Vereadores,  Chico Guerra (PRB), deixou bem claro, no áudio que vazou nesta quarta-feira, como pensa a atual administração em relação às pessoas que a desagradam: manda dar um corretivo, bota para correr, entra para a lista negra... É comprometedor para o prefeito o que diz seu irmão nas mensagens trocadas com o ex-coordenador de Relações Comunitárias, Rafael Bado. A conversa foi denunciada no Legislativo pelo vereador Rafael Bueno (PDT). Os métodos sugeridos são preocupantes, remetem a retaliação, vingança.

Leia mais  
Líder de governo de Caxias sugere dar "corretivo" a presidente de bairro com corte de verbas a comunidade

Tudo isso foi resultado da reação às manifestações oposicionistas de um cidadão com 84 anos de idade, Marciano Correa da Silva, presidente da associação de moradores do bairro Cânyon. Ele tem 59 anos de movimento comunitário. O argumento de Chico utilizado na sessão desta quarta, de que o idoso ameaçou a ele e ao prefeito de matá-los com um facão, caso fossem ao bairro, não justifica a forma como o governo reagiu. Deveriam ter procurado as autoridades de segurança, além de denunciar na tribuna. 

Aliás, no áudio que veio à tona, Chico não fala que havia temor com sua integridade física e a do prefeito. Diz apenas que em todas as sessões Marciano está "batendo que nem louco" no governo e de que a postura dele "está bem contra o prefeito e bem contra a gestão". Em síntese, é uma pedra no sapato de Guerra.

Na manifestação de Chico, não dá para ignorar outro posicionamento quando ele se refere ao ex-coordenador: 

— A gente deu a chance para ele ser uma boa pessoa, optou para ir para a oposição.

Significa que só é boa a pessoa que está com Daniel Guerra. Isso é arrogância. É a estratégia de dividir a cidade entre o bem e o mal, quando na verdade o que existe é situação e oposição. Deveriam ser adversários políticos e não inimigos.

O gestor, que teve o pedido de impeachment rejeitado pelo plenário em 17 de abril, agora fica de cara com esta situação tensa. Inclusive, o líder de governo, sem traquejo, sequer tentou livrar o prefeito. O caminho, por óbvio, será a análise das declarações do vereador pela Comissão de Ética Parlamentar. 

Leia também  
Prefeitura de Bento encaminha currículos para vagas de emprego na construção de presídio
Primeiro passo para a beatificação do Frei Salvador Pinzetta é aceito pelo Vaticano


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros