Câmara de Vereadores rejeita quarto pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Política19/06/2018 | 11h07Atualizada em 19/06/2018 | 11h13

Câmara de Vereadores rejeita quarto pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul

O pedido foi protocolado na quarta-feira da semana passada pelo comerciante Luis Carlos Ferreira Junior

Câmara de Vereadores rejeita quarto pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul André Tajes / Agência RBS/Agência RBS
Foto: André Tajes / Agência RBS / Agência RBS

Os vereadores votaram o quarto pedido de impeachment e afastamento cautelar do prefeito de Caxias do Sul, Daniel Guerra (PRB) durante sessão realizada na manhã desta terça-feira. Por unanimidade de votos (21), o pedido foi rejeitado e arquivado. Os vereadores Denise Pessôa e Rodrigo Beltrão, ambos do PT, estavam ausentes no momento da votação.

Leia mais
Declaração do presidente da Câmara de Vereadores sobre pedido de impeachment do prefeito de Caxias provoca reação
Retirado pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul

O pedido de impeachment foi protocolado na quarta-feira da semana passada pelo comerciante Luis Carlos Ferreira Junior. No dia seguinte, o próprio autor protocolou a retirada da denúncia.

Antes da votação, o presidente da Câmara Municipal, vereador Alberto Meneguzzi (PSB) manifestou a opinião da assessoria jurídica da Câmara sobre a retirada da denúncia. Conforme o decreto-lei 201/67, o presidente determinou a leitura e a consulta sobre o recebimento da denúncia. O socialista informou ainda que o pedido de retirada da denúncia pelo autor foi indeferido e arquivado.

— Esta (assessoria jurídica da Câmara) opinou pela impossibilidade de desistência da denúncia pelo autor da ação (...) que é denominada pela doutrina de ação penal popular (...), não estão sujeitos à vontade do eventual denunciante - explicou Meneguzzi.  

Após a leitura das 10 páginas da denúncia pelos vereadores Gladis Frizzo (MDB) e Renato Oliveira (PCdoB), cada vereador tinha até um minuto para declarar o voto, mas todos optaram por não se manifestar.

Denise explicou disse que a ausência no plenário no momento da votação não foi proposital.

— Fui até meu gabinete. Achei que a leitura iria demorar mais tempo. Corri para tentar votar, mas cheguei atrasado.

Beltrão também justificou um atendimento no gabinete para a ausência no plenário.

— Não foi nenhum movimento político.

O líder do governo, vereador Chico Guerra (PRB), também se manifestou sobre a decisão:

— Mais uma vez a Câmara demonstrou maturidade ao rejeitar mais um pedido desprovido de qualquer fundamento fático ou legal por parte dos mesmos inconformados de sempre.

O quarto pedido de impeachment citava o vazamento dos áudios onde Chico sugere ao ex-coordenador de Relações Comunitárias, Rafael Bado, dar um "corretivo" no presidente da associação de moradores do Cânyon, Marciano Correa da Silva. Chico diz que a ordem teria partido do prefeito Daniel Guerra.

Leia também  
Quarto pedido de impeachment contra Daniel Guerra irrita presidente da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul
Assaltante Papagaio é investigado por ataque a carro-forte três meses depois de fugir do semiaberto

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros