Segurança está mais reforçada na Câmara de Vereadores de Caxias do Sul - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Medidas19/05/2018 | 07h30Atualizada em 19/05/2018 | 07h30

Segurança está mais reforçada na Câmara de Vereadores de Caxias do Sul

Mesa Diretora decidiu instalar detector de metais na entrada principal do prédio público

Segurança está mais reforçada na Câmara de Vereadores de Caxias do Sul Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A instalação de um aparelho detector de metais na portaria principal da Câmara Municipal de Caxias do Sul está causando críticas de alguns vereadores. A medida também irritou outros servidores e cargos de confiança (CCs), mas estes preferem não se identificar. Entretanto, a iniciativa foi bem recebida e mereceu elogios da maioria dos parlamentares e da União das Associações de Bairros (UAB).

A colocação do equipamento em fase de teste ocorreu na segunda-feira passada e pegou vereadores e servidores de surpresa. Na quinta-feira à tarde, a Câmara confirmou a utilização do equipamento de forma definitiva. O aparelho detector custou R$ 4.812,80. A reportagem apurou que ele está regulado para identificar metais de armas de fogo e armas brancas, como facas. Desde o início da semana, as pessoas que precisam acessar o prédio são orientadas a depositar pertences como celulares, chaves, moedas e outros objetos metálicos em uma caixa plástica para somente depois passar pelo aparelho. A circulação é supervisionada por um segurança de uma empresa privada.

O Legislativo anunciou ainda outras quatro medidas de segurança, como a colocação de porta de vidro no acesso à rampa do prédio e a instalação de travas automáticas nas portas das entradas da sala da presidência e do plenário. As medidas estão em fase de orçamento. Além disso, ocorrerá o cadastro e identificação dos visitantes. O controle de acesso será realizado pelas recepcionistas. Em fevereiro, a Mesa Diretora da Casa proibiu a entrada de faixas com suporte de madeira ou plástico que oferecem risco à integridade física no plenário. A circulação no espaço dos vereadores também está proibida – inclusive para assessores dos vereadores.

Segundo a Câmara, o tema da segurança é uma preocupação desde 2014, quando a Mesa inseriu no seu relatório anual a necessidade da implantação do detector. O presidente do Legislativo, Alberto Meneguzzi (PSB), observa que a instalação considera a opinião das legislaturas passadas e que a Câmara cede espaços para associações e entidades nos finais de semana.

– Hoje, são quase 200 servidores que atuam no Legislativo. Diariamente, contando os servidores, cerca de 400 pessoas circulam no parlamento. O interior da Casa abriga uma cafeteria e dois caixas eletrônicos.

Em abril, o vereador Rafael Bueno (PDT) foi ameaçado por uma mulher durante sessão. Meneguzzi, porém, diz que as medidas não foram tomadas a partir de uma ameaça explícita.

Contrários e a favor

Apesar da justificativa de aumentar a segurança, o vereador Adiló Didomenico (PTB) é contrário ao detector de metais e afirma que o aparelho deixa a impressão de afastamento dos parlamentares com os eleitores.

– Não sinto necessidade. Por mim é dispensável.

Para o presidente da UAB, Valdir Walter, a implantação chega tarde, e só a pessoa mal-intencionada ficará constrangida. Ele revela que até pessoas armadas já acessaram a Câmara.

– Sempre será bem-vindo quando se trata de segurança. A gente sabe que, muitas vezes, pessoas já entraram armadas na Câmara. O detector vai inibir o mau elemento.

A assessoria da Câmara disse que a Mesa Diretora não sabia da revelação de Valdir Walter.

As medidas

- Proibida a entrada de faixas com suporte de madeira ou plástico desde fevereiro.

- Instalação de detector de metais (em funcionamento).

- Colocação de porta de vidro no acesso à rampa do prédio (em fase de orçamento).

- Instalação de travas automáticas nas portas das entradas da sala da presidência e do plenário (em fase de orçamento).

- Controle de identificação (em fase de estudo). 

- Proibida a circulação no espaço dos vereadores.

Leia mais:
Postão 24h de Caxias ficará sem pediatra pelo segundo final de semana seguido 
Discussões sobre projeto Maesa estão paradas há mais de seis meses em Caxias

Foto:


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros