Presidente de Amob diz que é vergonhoso vereadores votarem sem saber o que estão votando  - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Mirante31/05/2018 | 14h40Atualizada em 31/05/2018 | 14h40

Presidente de Amob diz que é vergonhoso vereadores votarem sem saber o que estão votando 

Rafael Bueno (PDT) revidou a líder comunitária Carla Pacheco: "Que concorra a vereadora e se eleja"

Presidente de Amob diz que é vergonhoso vereadores votarem sem saber o que estão votando  Franciele Masochi Lorenzett, Divulgação/
Carla Pacheco, do bairro Samuara/Jockey Clube, usou a Tribuna Livre na Câmara nesta quarta-feira Foto: Franciele Masochi Lorenzett, Divulgação

A presidente da Associação de Moradores do Bairro Samuara/Jockey Clube, Carla Pacheco, usou a Tribuna Livre, na Câmara de Vereadores, nesta quarta-feira, e disse que era vergonhoso vereadores que ficam olhando no celular, no WhatsApp, e não sabem o que vão votar, ou que estão fora do plenário e vêm correndo.

— Vota sim, vota não, sem saber o que votou. 

A presidente da Amob foi ao Legislativo falar sobre a indignação das famílias que residem há mais de 20 anos na área, fazem o pagamento do IPTU e não conseguem ter acesso à pavimentação dos acessos e demais serviços essenciais. 

Ela teceu críticas a diversas administrações municipais, aos vereadores e ao Ministério Público. 

—Todos temos escritura, mas não temos saneamento básico, porque não conseguimos utilizar a rede de esgoto. A gente precisa de vocês. Estamos desassistidos totalmente — disse.

— Nós estamos aqui pedindo, porque quando tem um decreto, uma lei, ficar olhando no celular, no Whatsapp, e não saber o que vocês estão lendo e fazer a votação sem saber o que estão votando, desculpa, eu acho que isso é vergonhoso — acrescentou.

Carla se referia ao projeto de criação do loteamento na área da represa Samuara, do governo Alceu Barbosa Velho (PDT).

— Liberaram toda a zona das águas, que fica na bacia do Samuara. Acho que tem aqui algum vereador de 2014, que assinou e autorizou isso — alfinetou.

Vereador Rafael Bueno lembrou que a líder comunitária foi CC8 do governo Alceu Foto: Franciele Masochi Lorenzett, Divulgação

"Que concorra a vereadora"

A declaração provocou a indignação dos vereadores Rafael Bueno (PDT) e Edi Carlos Pereira de Souza (PSB), que estavam na Câmara em 2014. Após o término da participação de Carla, ofendido, Rafael disse que a respeitava, "até porque ela foi CC8 do governo Alceu". E disparou de forma agressiva:

— Eu não admito vir qualquer pessoa aqui e rotular a nossa Câmara de Vereadores de que não faz nada. A Carla é pré-candidata a deputada estadual pelo PTC. As pessoas que ocupam a tribuna desta Casa têm que ter mais compromisso e responsabilidade com o que falam, porque senão repercute mal. Que concorra a vereadora, se eleja e ocupe o espaço desta Câmara.

— Nós não podemos abrir espaço para uma pessoa que é pré-candidata, que vem aqui falar mal de nós —  acrescentou Edi Carlos, dirigindo-se à vereadora Gládis Frizzo (MDB).

:: As manifestações dos dois dão a entender que a tribuna só é livre quando as críticas não atingem os vereadores.

Espaço aberto

Elói Frizzo (PSB), porém, teve outra reação:

— Quando uma liderança comunitária vem aqui, independente de ter ocupado cargo ou não, esse espaço é um espaço aberto. E a gente está aqui, tem que ouvir e pronto.

Ele disse que os moradores têm razão de estarem indignados com Poder Executivo, Câmara de Vereadores e Ministério Público.

— A única crítica que eu acho injusta é com relação à aprovação que houve nesta Casa numa tentativa, que está sendo bloqueada agora neste momento pela atual administração, de regularizar um loteamento existente desde 1958 aprovado em quase cinco mil lotes. 

Mas o mal-estar prosseguiu.

Gládis disse que estranhava o posicionamento dos colegas, de que uma pessoa que teve um cargo de CC não pode usar a tribuna como presidente de Amob ou de que teria que questionar as pessoas para saber se vão concorrer.

Por sugestão do presidente da Comissão de Legislação Participativa e Comunitária, Adiló Didomenico (PTB), será realizada uma audiência pública.

Leia também
Locaute na greve dos caminhoneiros incluía pregos escondidos em laranjas e ameaças com armas
Liminar proíbe manifestações que atrapalhem prestação de serviço à população de Caxias
Câmara aprova licença de 30 dias para vice-prefeito de Caxias

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros