"Avisei meio mundo", diz vice-prefeito de Caxias sobre reajuste da passagem do transporte coletivo via judicial - Política - Pioneiro
 

Mirante12/05/2018 | 08h30Atualizada em 12/05/2018 | 15h33

"Avisei meio mundo", diz vice-prefeito de Caxias sobre reajuste da passagem do transporte coletivo via judicial

Em ofício enviado ao prefeito Daniel Guerra, neste mês, Ricardo Fabris alerta sobre possível indenização à Visate que município terá que arcar

"Avisei meio mundo", diz vice-prefeito de Caxias sobre reajuste da passagem do transporte coletivo via judicial Ricardo Fabris de Abreu/Divulgação
Vcie-prefeito está na Alemanha e selfie foi feita no Tribunal de Nuremberg Foto: Ricardo Fabris de Abreu / Divulgação

O vice-prefeito Ricardo Fabris de Abreu (Avante) está em Berlim, Alemanha, segundo ele, em férias de 10 dias acumuladas de 2016, do Tribunal Regional do Trabalho, onde é servidor licenciado. Ele retorna neste domingo. O vice se manifestou sobre a liminar para a passagem do transporte coletivo urbano a R$ 4,30 a partir de 1º de junho, conforme liminar da juíza Maria Aline Vieira Fonseca, da 2ª Vara Especializada em Fazenda Pública de Caxias do Sul.

Leia mais
Prefeitura de Caxias vai recorrer de decisão judicial que aumenta a tarifa de ônibus para R$ 4,30
Transporte coletivo: "Não é a Visate que quer a tarifa a R$ 4,30 em Caxias", diz diretor da concessionária
Justiça determina passagem de ônibus a R$ 4,30 a partir de 1º de junho em Caxias do Sul 

“O previsível aumento da tarifa urbana por via judicial é, lamento, apenas a primeira onda de uma série de decisões que custarão muito caro ao contribuinte caxiense. É também resultado esperado, porque o populismo de direita sempre ignora a repercussão econômica de decisões políticas. Avisei meio mundo, mas "esterpe" raramente é lembrado. Com a palavra, o prefeito e os vereadores. Resolvam, excelências” —  disse Fabris pelo WhatsApp.

Em 3 de maio, ele enviou ofício ao prefeito Daniel Guerra (PRB) em que se refere à ação indenizatória da Visate buscando reparação pelo congelamento das tarifas. "O valor estimativo para fins de cálculo de custas é de R$ 100 mil. Se não houver uma composição administrativa, é plausível o Município, por meio de suas futuras administrações, ter que arcar com indenização na casa das dezenas de milhões de reais... Esta ação vai fazer o processo Magnabosco parecer esmola de porta de igreja", consta no texto.

No ano passado, ele encaminhou ofício em que dizia que "a variação do custo anual dos valores dos insumos e o levantamento dos passageiros transportados é um direito inquestionável da concessionária".

A selfie foi feita no Tribunal de Nuremberg.

Leia também
Ana Rech: 30 anos sem ser município
"Joaquim Barbosa é uma pedra bruta que precisava ser lapidada", diz Beto Albuquerque sobre companheiro de partido
Estado não divulga valor que pretende repassar para manter os leitos do HG, em Caxias


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros