A incompreensível ausência do prefeito Daniel Guerra em compromissos  - Política - Pioneiro
 

Mirante18/05/2018 | 08h00Atualizada em 18/05/2018 | 14h33

A incompreensível ausência do prefeito Daniel Guerra em compromissos 

Três atividades significativas, ocorridas em sequência, não tiveram a presença do chefe do Poder Executivo de Caxias do Sul

A incompreensível ausência do prefeito Daniel Guerra em compromissos  Felipe Nyland/Agencia RBS
Críticas são de que Daniel Guerra está "encastelado" em seu gabinete na prefeitura Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

O prefeito Daniel Guerra (PRB) não acompanhou a comitiva da Festa da Uva para a entrega do convite para a escolha das soberanas, na semana passada. Ontem pela manhã, ele não participou da  reunião que estava agendada pela Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) e 17 sindicatos patronais, que juntos representam cerca de 25 mil empresas. Enviou o chefe de Gabinete, Júlio César Freitas da Rosa. À tarde, não compareceu à audiência de conciliação com a Visate, perante a Justiça, tendo a polêmica discussão sobre a tarifa do transporte coletivo urbano em pauta. Enviou o chefe de Gabinete novamente.

Leia mais
Ausência de prefeito, frustra presidente da CIC Caxias
Prefeito Daniel Guerra não vai à audiência de conciliação com a Visate
Daniel Guerra não acompanha comitiva caxiense em convite a governador para eleição das soberanas

O prefeito poderia ter tentado melhorar as relações com Sartori, reabrindo portas junto ao seu ex-chefe (Guerra foi secretário de Turismo na primeira administração de Sartori em Caxias), distensionando as relações. Afinal, trata-se do governo do Estado, que tem à frente um nome de Caxias. Era um momento para demonstrar todo o seu envolvimento em busca do sucesso da Festa da Uva, já que a deste ano foi cancelada.

Deveria ter ido ouvir as reivindicações dos empresários, demonstrando aproximação. Da mesma forma, não comparecer à audiência marcada pela juíza Maria Aline Vieira Fonseca provocou frustração. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 17/05/2018 - Audiência de conciliação entre Visate e Prefeitura busca resolver impasse que cerca o aumento da tarifa do transporte público na cidade. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Na audiência de conciliação e na CIC, chefe de Gabinete, Júlio Freitas, ocupou lugar de Daniel GuerraFoto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Não é compreensível o motivo que leva o prefeito a se ausentar em situações como essas. Por mais que ele procure evitar ser colocado contra a parede – e deve ser esse o aconselhamento do grupo mais próximo –, Guerra não pode fugir do compromisso de encarar as cobranças, mesmo que ele não tenha respostas. 

O argumento para não ter ido à CIC foi de que "uma outra situação inesperada surgiu no gabinete e ele teve que gerenciar pessoalmente". 

Muito vago.

É importante ressaltar que Caxias não elegeu Júlio Freitas para prefeito – não se trata de desconsiderar o braço direito do chefe do Executivo —, mas é chegada a hora de Guerra sair do seu gabinete e encarar as situações tensas, sem delegar a outros. Ou, a cada dia, mais ele fará jus ao "encastelamento" que lhe é atribuído. 

Leia também
Visate e prefeitura entram em acordo e passagem de ônibus passará a R$ 3,95 em Caxias
Câmara de Vereadores de Caxias do Sul instala em definitivo detector de metais no acesso ao prédio

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca