"Sou um político em extinção", diz Chico Spiandorello, atualmente no DEM - Política - Pioneiro
 

Entrevista da 2ª09/04/2018 | 08h30Atualizada em 09/04/2018 | 13h54

"Sou um político em extinção", diz Chico Spiandorello, atualmente no DEM

Ele é apoiador de Jair Bolsonaro

"Sou um político em extinção", diz Chico Spiandorello, atualmente no DEM Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Aos 74 anos, o ex-vice-prefeito, ex-vereador e ex-deputado estadual Francisco de Assis Spiandorello, conhecido como Chico Spiandorello, atualmente no DEM, continua na vida pública. Sem cargo público desde o final do governo Alceu Barbosa Velho (PDT), Spiandorello não se afastou da política. Cursa pós-graduação em Alta Política em uma instituição de ensino de Porto Alegre e faz campanha para o pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro, do PSL. Na entrevista a seguir, ele comentou sobre a expulsão de Daniel Guerra do PSDB quando era vereador e Chico integrava o partido tucano. Também avaliou o Governo Guerra e explicou os motivos de estar apoiando a pré-candidatura de Jair Bolsonaro. Confira a entrevista na íntegra.

Pioneiro: O senhor foi vereador, vice-prefeito e deputado estadual. Qual o cargo lhe deu mais satisfação?
Francisco Spiandorello:
E de prefeito em exercício também. Acho que tem que ter vocação para a atividade pública, para o interesse público, para servir. Em todos eles, me senti realizado, mas o que tem mais contato com a comunidade é no Executivo, porque pode realizar, enquanto no Legislativo tu aprende a dialogar. Eu gostei de todos, porque sempre tinha o contato direto com a população. A prática democrática é o diálogo, a transferência, a identificação com o interesse público e a construção desses processos. Quem está na atividade pública tem o compromisso de ser o educador e aprendiz das praticas sociais. 

Na sua carreira política, faltou concorrer a prefeito?
A oportunidade que tive foi em 1996, mas as forças que estavam apoiando o processo fizeram a opção por Germano Rigotto, do PMDB. Em 96, me elegi para a Câmara de Vereadores com uma grande votação e permaneci por 16 anos, e três vezes como presidente da Câmara.

Qual a maior realização como presidente da Câmara?
Conseguimos construir uma parte nova da Câmara onde está instalada hoje a TV Câmara, o arquivo e o memorial e a digitalização dos projetos. Também fizemos com que as comissões tivessem condições de funcionar e também o anfiteatro da Câmara. E alguns projetos como o Parlamento Regional, que agora retornou de novo.

Qual foi o melhor momento político de Caxias do Sul?
Caxias teve e tem grandes lideranças e, no trabalho que foi feito, havia muita integração. As lideranças de todas as áreas têm que trabalhar em conjunto. O prefeito é o líder que tem que ser o incentivador das atividades. Foi uma época que havia a correspondência e inter-relacionamento de força. Caxias do Sul sempre apresenta desafios novos e, para isso, precisamos estar preparados com integração e resolvendo pela via político-administrativa, ou seja, através do diálogo, da transparência e para o interesse comum.

E o pior?
O pior momento é quando falta aptidão para verificar o que está ocorrendo e não responder aos anseios. Vejo que estamos passando por um momento muito difícil, porque houve uma ruptura de diálogo entre o Poder  Executivo, o Legislativo e as forças da cidade, que não estão conseguindo encontrar soluções. Eu creio com toda a sinceridade que o Poder Executivo não está fazendo aquilo que era uma prática que estava dando resultados e isso fez com que houvesse uma quebra de paradigmas no sentido da continuidade, ou seja, Caxias do Sul não está, através da liderança do Executivo (prefeito Daniel Guerra), mantendo o processo que estava dando certo. Cada um tem sua forma de administrar, mas não pode fugir de  algumas coisas que são fundamentais, que é a prática democrática, como o diálogo e a transparência, e buscar soluções. É preciso ter um projeto para Caxias em 2018 que possa ser abraçado por todos.

A expulsão do então vereador Daniel Guerra do PSDB contribuiu para a ascensão dele?
No PSDB, chegou um momento que não tinha mais condições. Faltaram condições básicas de diálogo. O rompimento não contribuiu em nada. A  população quis dar oportunidade para uma proposta que achava que era nova. Ele se apresentou como alternativa a um processo de 12 anos, como ocorreu em Porto Alegre e em São Paulo, e a população apostou e buscou fazer uma mudança radical. 

E o senhor se arrepende de ter articulado a expulsão?
Ele tinha todas as oportunidades, mas não tinha a condição fundamental do diálogo interno. Ele tinha uma proposta individual. Quando estamos em um partido, não buscamos o poder pelo poder. 

Como avalia o Governo Guerra?
Ele não tem ainda um projeto. Muitas coisas são ainda do governo Alceu Barbosa Velho (PDT) e de outros governos. Ele não está dialogando com a sociedade. Eu vejo uma grande dificuldade com os secretários com mudanças contínuas, e não estão assumindo as decisões que têm que ser tomadas. Essa dificuldade está se traduzindo na cidade, estamos perdendo muito espaço na região. Quem é líder tem que dialogar com toda a região, e isso não está acontecendo. E internamente tem uma burocracia excessiva, um legalismo exacerbado em assuntos que teriam que ser encaminhados rapidamente. A cidade precisa de soluções rápidas. 

Por que o senhor apoia o pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro?
O presidente Milton Corlatti (do DEM) e outros grupos propiciaram a vinda dele para poder ouvi-lo sobre o que pretende fazer para o Brasil. Há hoje uma grande rejeição a políticos corruptos. O Bolsonaro é honesto com seus princípios, não é corrupto e tem suas ideias. Ele tem uma grande aceitação popular e é muito transparente. 

Como é fazer política sem cargo público?
Sou um político em extinção. Agora vai voltar o tempo em que se fazia política sem dinheiro, usando as redes sociais, as reuniões, as visitas, com a reputação e o trabalho feito, e certamente é muito mais difícil fazer política sem ter cargo. Hoje temos cada vez mais pessoas fazendo política dessa forma.

Leia também
Como a polícia chegou ao suspeito de ter raptado Naiara
Defensoria Pública deve pedir defensor de fora da cidade para autor confesso
Identificados homens desaparecidos em propriedade rural de Vacaria
Três moradores de Caxias estão desaparecidos no interior de Vacaria  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros