Prefeito de Caxias, Daniel Guerra, e ex-prefeito Alceu devem ficar cara a cara  - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Mirante27/04/2018 | 08h01Atualizada em 27/04/2018 | 08h01

Prefeito de Caxias, Daniel Guerra, e ex-prefeito Alceu devem ficar cara a cara 

Guerra decide na manhã desta sexta-feira se irá à audiência em Porto Alegre. Alceu confirmou que estará presente

Prefeito de Caxias, Daniel Guerra, e ex-prefeito Alceu devem ficar cara a cara  Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Cumprimento protocolar foi registrado em encontro na prefeitura antes da troca no comando do governo Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

A audiência de reconciliação entre o prefeito Daniel Guerra (PRB) e o ex-prefeito Alceu Barbosa Velho (PDT), marcada para esta sexta-feira, às 15h30min, na 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado (TJ-RS), em Porto Alegre, vem cercada de expectativa: tanto em relação à presença dos dois, quanto à possibilidade de um entendimento. Se eles conseguirem se entender, não haverá prosseguimento na queixa-crime movida por Alceu contra Guerra, por calúnia, injúria e difamação, em virtude de declarações do prefeito feitas quando do balanço dos 100 dias de governo, em abril do ano passado. 

Leia mais:  
Declarações de Daniel Guerra contra Alceu Barbosa Velho geram audiência

Na ocasião, Guerra referiu-se aos antecessores como "os acostumados a mamar no dinheiro público, ao jeitinho, às negociatas, aos rolos, aos fura-filas e às pilantragens".

O ex-prefeito confirma que estará presente. Guerra, porém, decide nesta manhã. Seu advogado, Heron Fagundes, posiciona-se pela presença do prefeito. Heron acredita que ele irá. 

— É uma convocação judicial, de uma autoridade judicial, um desembargador do TJRS. Eu costumo atender aos chamados judiciais. Se eu fosse o réu, eu iria. Acho que isso é o mínimo que se espera de um cidadão. É a oportunidade para que o que foi dito seja esclarecido, porque evidentemente houve abuso nas declarações. Sou do diálogo e estarei lá mesmo que a conciliação não seja alcançada, até por respeito ao Judiciário — declarou Alceu.

Alguns leitores questionaram o termo "reconciliação", mas é isso mesmo. É o que está previsto no artigo 520 do Código de Processo Penal. 

Decisão do TCE

O encontro entre Guerra e Alceu, caso ocorra, vem um dia depois de o Tribunal de Contas do Estado (TCE) ter divulgado o julgamento da 1ª Câmara, de 17 de abril, relativo ao exercício de 2015. Foi fixado débito de R$ 431 mil, referente à realização de transação judicial em matéria tributária sem autorização legislativa ( sobre IPTU e que deveria ter passado pela Câmara de Vereadores).  Há também multa de R$ 1,5 mil .

A decisão, naturalmente, provocou rebuliço entre apoiadores e adversários do atual e do ex-prefeito.

Alceu ressalta que cabe recurso e que não se trata de improbidade.

— A gente sempre é intimado, e eu não fui. Não fiz a sustentação porque não fui intimado. A intimação vai para a prefeitura, e de lá não foi enviada para mim.

Leia também  
Ex-prefeito de Caxias do Sul deverá ressarcir R$ 431 mil aos cofres públicos
Promulgada legislação que estimula campanha de doação de sangue e órgãos em Caxias do Sul
PT da Serra vai a Curitiba para a Vigília Lula Livre


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros