Impeachment do prefeito de Caxias do Sul é rejeitado - Política - Pioneiro
 

Arquivado16/04/2018 | 21h04Atualizada em 16/04/2018 | 22h11

Impeachment do prefeito de Caxias do Sul é rejeitado

Vereadores consideraram os sete tópicos que embasavam denúncia contra Daniel Guerra improcedentes

Impeachment do prefeito de Caxias do Sul é rejeitado Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Público comemora resultado da sessão que absolveu Daniel Guerra Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Como previsto, os vereadores acolheram nesta segunda-feira, por maioria, o parecer da Comissão Processante pela improcedência da denúncia de impeachment contra o prefeito Daniel Guerra (PRB) por infrações político-administrativas, crimes de responsabilidades e atos de improbidade administrativa. O pedido será arquivado.

Leia mais
Leitura da denúncia contra prefeito de Caxias do Sul levou toda a manhã
Parecer pelo arquivamento do impeachment do prefeito de Caxias deve ser aprovado

A sessão durou 12 horas e 11 minuto até o último voto, proferido às 20h50min. Os sete tópicos da denúncia foram considerados improcedentes pela maioria dos vereadores. Em três deles —descumprimento de lei sobre composição do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente, descumprimento de metas do Plano Municipal 2017 de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos e denúncia de interferência do Executivo no funcionamento da Câmara — a rejeição deu-se por unanimidade. Nos demais, houve divergência. O sétimo tópico, que tratava do descumprimento pelo prefeito de lei e de ordem judicial quanto ao mandato do vice-prefeito Ricardo Fabris de Abreu foi o que teve mais votos pela procedência: foram seis. 

Mas o arquivamento do impeachment não significa trégua. A oposição deixou bem claro que continuará implacável na sua fiscalização. Denise Pessôa (PT), por exemplo, disse que a improcedência da denúncia não representa "carta branca" ao prefeito.

Relator do processo na Comissão Processante do impeachment, que emitiu parecer pela improcedência das denúncias, Elói Frizzo (PSB) aproveitou o tempo destinado a ele para justificar o resultado do relatório.

— O processo tinha deficiências, que a defesa com competência explorou — destacou, acrescentando que a denúncia, por exemplo, não arrolava testemunhas de acusação.

E completou:

— Estamos amarrados ao nosso relatório. Seria uma contradição votar contra ele.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 16/04/2018.  Sessão de julgamento do processo de impeachment do prefeito de Caxias do Sul, Daniel Guerra (PRB), na Câmara de Vereadores. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Vereadores Arlindo Bandeira e Renato Nunes com Heron Fagundes, advogado de Guerra Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Vereador da base governista, Renato Nunes (PR) fez as vezes de líder do governo (o líder Chico Guerra, do PRB, não se manifestou) e defendeu o prefeito. Pediu para que o resultado das urnas seja respeitado. E provocou:

— Em vez de ficar pensando em impeachment, vão trabalhando um nome, mas um nome melhor, não aquele da última eleição — se referindo a Edson Néspolo, candidato do PDT na eleição de 2016.

O advogado de Guerra, Heron Fagundes, manifestou-se por uma hora e 47 minutos e criticou a falta de provas contundentes. Ao final de sua fala, deixou uma reflexão: 

— Precisamos de união, precisamos nos alinhar. Precisamos dar um basta a isso. Essa vergonha não é do Executivo e do Legislativo, essa vergonha é nossa. Continuaremos nessa puxação de forças, de quem pode mais e quem pode menos — questionou Heron.

Foto:

Leia também
"A primeira medida é pagar em dia", promete Miguel Rossetto, pré-candidato do PT ao governo do RS
Projeto que tramita na Câmara de Farroupilha reduz valor da diária para vereadores
"Objetivo atingido", diz Pepe Vargas sobre adoção do nome Lula

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros