Em acampamento pró-Lula, presidente do Sindicato dos Jornalistas do RS dificulta trabalho da imprensa  - Política - Pioneiro
 

Mirante29/04/2018 | 20h26Atualizada em 30/04/2018 | 13h12

Em acampamento pró-Lula, presidente do Sindicato dos Jornalistas do RS dificulta trabalho da imprensa 

Em Curitiba, ele disse a repórter que não poderia gravar  em frente ao local em que estavam apoiadores do ex-presidente. Sindicato do Paraná repudiou

Em acampamento pró-Lula, presidente do Sindicato dos Jornalistas do RS dificulta trabalho da imprensa  Facebook/Reprodução
Simas, com a camiseta do MST, para o repórter da afiliada da Record: "Estou te avisando para preservar a tua integridade" Foto: Facebook / Reprodução

Lamentável o carteiraço do presidente do Sindicato dos Jornalistas do RS, Milton Simas, em nome de sua militância partidária. No acampamento em defesa do ex-presidente Lula, em Curitiba, vestindo uma camiseta do MST, Simas intimidou a equipe de TV, afiliada à Record no Paraná, que fazia a cobertura do tiroteio ocorrido na madrugada de sábado contra os acampados. 

Ao invés de interceder junto aos manifestantes no sentido de que os jornalistas pudessem trabalhar, em defesa da liberdade de expressão, como deveria ser, ele inverteu a posição. Se dirigiu ao repórter, que estava na rua, em frente ao local para cerceá-lo.

Conforme vídeo (abaixo) que circula nas redes sociais, Simas diz:

— Vocês falaram mal do acampamento. Vá lá do lado onde está o carro da polícia. Estou te avisando para preservar a tua integridade.

O repórter, que vai sendo cercado por manifestantes, pergunta:

— Não pode gravar aqui?

— Não seria recomendável. Para quem fala mal do movimento social, ou tu fica lá do lado da polícia, tá? Eu estou te avisando para o teu bem... — prossegue o sindicalista, acrescentando que "a imprensa está toda junta no golpe".

Ou seja, para o presidente do Sindjors, liberdade de expressão só existe se estiver alinhada à sua cartilha política. 

O Sindicato dos Jornalistas do Paraná emitiu nota de repúdio à atitude de Simas e cobrará esclarecimentos da Federação Nacional dos Jornalistas. Em nota, o sindicato do RS diz que o repórter foi aconselhado por Simas de que evitasse aquele ponto do acampamento, de forma a se proteger. Diz ainda que jamais teve a intenção de dificultar ou impedir o trabalho do profissional.

O ataque ao acampamento atingiu uma pessoa no pescoço, que está internada. Imagens de duas câmeras de segurança estão sendo analisadas pela polícia. Elas mostram um homem atirando em direção ao acampamento. Uma mulher foi atingida por estilhaços.

 A nota do Sindicato dos Jornalistas do RS

'Tô te avisando, que é pra preservar a tua integridade"

Diante do atentado sofrido pelo Acampamento Marisa Letícia, pró-Lula, em Curitiba, a imprensa, como é seu dever, foi ao local para fazer a cobertura. O repórter Marc Sousa, da RIC Paraná, afiliada do Grupo Record, ao se aproximar do local para a reportagem, foi aconselhado, pelo presidente do SINDJORS, Milton Simas Júnior, que evitasse aquele ponto do acampamento, de forma a se proteger. A conversa entre os dois foi gravada pelo cinegrafista da emissora e mostra, perfeitamente, a intenção do sindicalista de proteger o profissional, exatamente como deve agir quem representa uma categoria.

"Eu não posso gravar aqui?", perguntou o repórter. “Não seria recomendável, para quem fala mal do movimento social, daí tu ficas lá perto da polícia. Estou te avisando para o teu bem”.  Mais uma vez, o presidente do SINDJORS preveniu o repórter, com o objetivo de protegê-lo de qualquer possível mal estar ou até mesmo agressão física, já que o local onde estava o repórter acolhia muitos manifestantes ainda tensos com o atentado da madrugada contra o acampamento, que deixou uma pessoa ferida gravemente com um dos tiros (induzida ao coma, no hospital).

De acordo com Milton, "é muita gente, não temos controle de todos; lutamos não apenas pela liberdade de Lula, mas pela democracia, pela liberdade de expressão e de imprensa. Com o clima tenso, em função do atentado da madrugada, era impossível saber se o repórter poderia ser ou não agredido, se dissesse alguma coisa que contrariasse os princípios defendidos no acampamento. Por isso, aconselhei que ele fizesse a gravação perto do policiamento, a fim de garantir a integridade dele. Como estamos acostumados a fazer no nosso Estado, defendendo os interesses da categoria". De acordo com Milton, todos sabem que as grandes redes de comunicação participam do golpe e, por isso, alertou o repórter, como aparece claramente na gravação. O presidente do SINDJORS disse, ainda, que jamais teve a intenção de dificultar ou impedir o trabalho do profissional, mas garantir a integridade física dele, durante a produção da reportagem.

Esse esclarecimento se faz necessário, porque, nas redes sociais, o vídeo está sendo usado de forma distorcida. Acusam o presidente do SINDJORS de não deixar o repórter trabalhar, de ameaçá-lo, invertendo a situação e incitando o ódio, já que os comentários são repletos de desconhecimento, intolerância e ignorância, além de má fé, uma vez que a gravação está sendo usada para acusar de forma leviana um sindicalista comprometido com seus pares.

A nota do Sindicato dos Jornalistas do Paraná

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Sindijor) repudia, veementemente, a atitude do presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul, que na tarde de hoje (28) quis impedir que uma equipe de reportagem da RIC PR realizasse a cobertura no Acampamento Lula Livre. O repórter Marc Sousa e o repórter-cinematográfico Diogo Cordeiro tiveram que justificar sobre o que se tratava a reportagem antes de prosseguir com a gravação.

O SindijorPR entrou em contato com a coordenação do movimento, que explicou se tratar de uma ação isolada. Disse ainda que não compactua com a intimidação a jornalistas. O acampamento tem assessoria orientando imprensa e tem conversado constantemente com jornalistas para garantir a segurança no local.

O Sindicato é intransigente na defesa do livre exercício profissional. A entidade reitera que não aceita qualquer tipo de intimidação, cerceamento ou censura ao exercício da profissão. Como compromisso, o SindijorPR vai, junto à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), cobrar esclarecimentos em relação ao ocorrido.

O Sindicato lembra ainda que tem atuado junto à categoria e aos representantes dos movimentos favoráveis e contrários ao ex-presidente Lula, sempre no sentido de prestar orientações para que o trabalho dos jornalistas ocorra em segurança.

Leia também
Audiência termina sem conciliação entre o prefeito de Caxias, Daniel Guerra, e o ex-prefeito Alceu 
Câmara de Vereadores de Caxias promove Semana da Comunicação em maio
Promulgada legislação que estimula campanha de doação de sangue e órgãos em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros