Definido esquema de segurança para votação do impeachment do prefeito de Caxias do Sul - Política - Pioneiro
 

Reta final13/04/2018 | 18h26Atualizada em 13/04/2018 | 20h33

Definido esquema de segurança para votação do impeachment do prefeito de Caxias do Sul

Público poderá acompanhar sessão, porém, até a lotação máxima do plenário

Definido esquema de segurança para votação do impeachment do prefeito de Caxias do Sul Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

A sessão extraordinária para votação do parecer pela improcedência do pedido de impeachment do prefeito Daniel Guerra (PRB), na segunda-feira, poderá ser acompanhada pelo público, porém, até a lotação máxima do plenário. São 170 lugares, sendo 20 reservados para a imprensa. 

Leia mais
Marcada sessão de julgamento do impeachment do prefeito de Caxias do Sul

A empresa de segurança privada terá quatro profissionais, distribuídos nos acessos de servidores e portas secundárias do plenário. A Brigada Militar fará o policiamento e a guarda externa do prédio e prestará auxílio com alguns homens do setor de inteligência. Um grupo de choque estará de sobreaviso.

O esquema de segurança foi definido nesta sexta-feira em reunião entre o presidente do Legislativo, Alberto Meneguzzi (PSB), o secretário municipal de Segurança Pública e Proteção Social, Clóvis Pacheco, e representantes da empresa de vigilância privada e da Brigada Militar.

A Guarda Municipal irá auxiliar na fiscalização do acesso da população, no entanto, não há confirmação de guardas no plenário. Conforme a assessoria de comunicação da Câmara, o secretário de Segurança, durante a reunião desta sexta, disse que a presença de guardas no interior do local da sessão precisava da autorização do chefe do Executivo. 

Por isso, Meneguzzi enviou ofício ao prefeito Guerra solicitando a Guarda Municipal na sessão para auxiliar a manter a ordem no plenário e no acesso ao local, caso venham a ocorrer imprevistos.

Pacheco sugeriu a Guerra que não acolhesse a solicitação de Meneguzzi. Em ofício, o secretário indicou apenas quatro guardas municipais para apoio externo e recomendou que a sessão não seja aberta ao público por questões de segurança, a exemplo dos procedimentos adotados durante as oitivas do processo. 

Leia também
Uso de bandeira do PDT em ato contra a prisão de Lula, em Caxias, provoca divisão no partido
Pré-candidato do PT ao governo do Estado visita Bento Gonçalves e Caxias do Sul
Câmara aprova projeto que permite doulas em partos nos hospitais de Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros