Ex-vice-prefeito de Caxias do Sul deixa o PMDB - Política - Pioneiro
 

Partido26/03/2018 | 11h37

Ex-vice-prefeito de Caxias do Sul deixa o PMDB

Antonio Feldmann diz que sai sem mágoas ou sentimento negativo

Ex-vice-prefeito de Caxias do Sul deixa o PMDB Diogo Sallaberry / Agência RBS/
Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS

Sem espaço para concorrer a deputado federal no PMDB, o ex-vice-prefeito Antonio Feldmann anunciou na manhã desta segunda-feira, por meio de um comunicado à imprensa, que pediu a desfiliação do partido que militou nos últimos 20 anos.

Feldmann diz em nota que a atitude não é contra ninguém, mas a favor de suas convicções e projetos “coletivos” que pretende realizar no futuro.

Em outro trecho na nota, Feldmann comenta que deixa o PMDB sem mágoas ou outro sentimento negativo. Ele também ressalta que a grande maioria dos filiados merece seu respeito, mas aponta que uma minoria compromete a imagem da sigla.

— Na sua grande maioria, o partido é formado por pessoas que merecem todo meu respeito, gente de posturas ilibadas e corretas, embora uma minoria acabe comprometendo sua imagem, credibilidade e sua própria história.

O provável caminho de Feldmann pode ser o PSD, partido do vereador Kiko Girardi e do senador Lasier Martins. Na semana passada, Feldmann prestigiou visita de Lasier na cidade. O ex-vice-prefeito tem até o dia 7 de abril para assinar ficha de filiação em um novo partido para concorrer nas próximas eleições.

Confira a íntegra do comunicado assinado por Feldmann:

“Dentro da transparência com que tenho procurado agir, venho através desta comunicar minha decisão de deixar o PMDB, partido ao qual servi e me dediquei nos últimos 20 anos. Essa atitude não é contra ninguém, mas antes de tudo a favor de novas convicções e projetos coletivos que eu tenho e procurarei empreender daqui para a frente.

Saio com a consciência de ter feito meu trabalho como uma missão, procurando entender a política como um instrumento e uma ferramenta para melhorar a vida das pessoas, para combater as injustiças e acima de tudo defender a vida. É possível fazer política com ética e dignidade, mantendo os princípios e a defesa de valores, não se corrompendo, trabalhando com honestidade e seriedade.

Como já manifestei recentemente, é tempo de assumir novas responsabilidades, mudar atitudes, ter coragem de denunciar os males que atingem o nosso sistema político-partidário, que na maioria das vezes sufoca o surgimento de novas lideranças e privilegia as cúpulas e os arranjos de gabinetes, não oferecendo à população alternativas e oportunidades diferentes. E assim sufocam novas esperanças.

Deixo o PMDB sem mágoas, ressentimentos, remorso, ou qualquer outro sentimento negativo. Só tenho a agradecer a convivência, a amizade, o aprendizado, o apoio e a confiança que tive em todo esse tempo. Na sua grande maioria, o partido é formado por pessoas que merecem todo meu respeito, gente de posturas ilibadas e corretas, embora uma minoria acabe comprometendo sua imagem, credibilidade e sua própria história.

Como forma de explicitar o que me move nesse momento, quero me expressar usando um trecho do poema “Travessia”, de Fernando Teixeira de Andrade:

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos”.

Leia também:
Prefeito de Caxias do Sul não comparece ao depoimento na comissão do impeachment
"Vamos ver fábricas de notícias falsas nas eleições", acredita especialista em checagem de fatos
Gramado vai fabricar mais de 1,2 milhão de quilos de chocolate neste ano


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros