Pressão pelo voto contra o impeachment do prefeito de Caxias reverte-se em mal-estar na Câmara - Política - Pioneiro
 

Mirante21/02/2018 | 07h30Atualizada em 21/02/2018 | 13h20

Pressão pelo voto contra o impeachment do prefeito de Caxias reverte-se em mal-estar na Câmara

Vereador Rodrigo Beltrão classificou de psicologia infantil os vídeos de Renato Nunes expondo vereadores

Pressão pelo voto contra o impeachment do prefeito de Caxias reverte-se em mal-estar na Câmara Matheus Teodoro/Divulgação
Rodrigo Beltrão disse que o problema do impeachment foi gerado pela tensão social diante do desmonte provocado por Guerra Foto: Matheus Teodoro / Divulgação

Os vídeos divulgados pelo vereador Renato Nunes (PR), em que busca apoio da população e tenta convencer outros parlamentares a votar contra o pedido de impeachment do prefeito Daniel Guerra (PRB), serviram mais para provocar mal-estar com alguns parlamentares citados ao invés de sensibilizar. Nunes acabou contribuindo para a exposição dos vereadores nas redes sociais de forma a constrangê-los, enquanto deveria cuidar com as palavras, já que o governo precisa desses votos.

Leia mais:  
Vereador publica vídeos pedindo apoio contra impeachment do prefeito de Caxias

Não que isso vá levar à definição quanto a votar favorável ou contra o impeachment, mas o momento não é propício para cutucar. Falta de habilidade.

Nesta terça-feira, primeira sessão da Câmara após anunciado o parecer pelo prosseguimento da denúncia, o assunto teve vários desdobramentos. 

Rodrigo Beltrão (PT) puxou o tema, dizendo que Nunes fez psicologia infantil nos vídeos. Beltrão usou o argumento do governista para pressionar PT e PCdoB pelo voto contra, para dizer que, por essa lógica, Nunes deveria votar a favor do impeachment. A referência deve-se ao fato de que Nunes e o prefeito saíram em defesa do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016. 

— Na mesma esteira de raciocínio, se eu, a vereadora Denise (Pessôa) e o vereador Renato Oliveira (PCdoB) temos de votar contra o impeachment, Vossa Excelência votará a favor. Dentro do seu simplismo da política, essa é a lógica da sua manifestação. 

O petista disse que o problema do impeachment foi gerado pela tensão social, pelo desmonte provocado pelo prefeito. Ele se solidarizou com a Comissão Processante que decidiu pelo prosseguimento da denúncia, ressaltando que não estava manifestando se votará pela cassação ou pela absolvição. O petista cobrou que Guerra provoque a Câmara propondo as políticas públicas que prometeu na campanha.

Disse ainda que o cenário escolhido por Nunes era simbólico e criticou:

— Se fosse algum tempo atrás, nessa mesma época, naquela imagem lá atrás da Festa da Uva estaria tendo festa. Estaria sendo movimentada a economia. 

Desconfortável

Paula Ioris (PSDB) também se posicionou e disse que o que ela aguarda, de fato, é uma defesa aos sete pontos que constam na denúncia. 

— Acrescento que me deixa muito desconfortável quando eu vejo a defesa do advogado (Heron Fagundes) agredindo a Câmara, inclusive o rito do sorteio. Quem estava aqui viu que foi totalmente transparente.

Paula salientou que é preciso sair desse processo com uma análise profunda, quanto ao que tem ou não fundamento para aí votar.

No vídeo, Nunes chama atenção para que Paula não macule seu mandato votando pelo impeachment.

Enrolado

Renato Nunes deu uma explicação um tanto atrapalhada sobre os vídeos.

Primeiro, afirmou que a intenção não foi agredir, faltar com respeito ou induzir vereador. Depois, disse que tem, sim, alguns vereadores, que é a minoria, "talvez no máximo uns dois ou três, que se acham o último gás da Coca-Cola, a última bolachinha do deserto, se acham os donos do campinho, o dono da bola, os donos de Caxias, e que ficam o tempo todo induzindo". Na sequência, completou dizendo que tinha que respeitar esses dois ou três, porque são vereadores e representantes do povo.

Ele justificou que quis chamar a atenção da população para o debate, porque, até agora, não viu nenhum vereador, abertamente, de forma clara e transparente, fazendo uma consulta à população. 

Leia também:  
Onze vereadores de Caxias do Sul devem concorrer na eleição deste ano

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros