"Não deveria se declarar suspeito?", questiona advogado do prefeito de Caxias sobre relator do impeachment - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Mirante17/02/2018 | 09h30Atualizada em 17/02/2018 | 10h16

"Não deveria se declarar suspeito?", questiona advogado do prefeito de Caxias sobre relator do impeachment

Manifestação de Heron Fagundes foi feita em postagem no Twitter

"Não deveria se declarar suspeito?", questiona advogado do prefeito de Caxias sobre relator do impeachment Roni Rigon/Agencia RBS
Heron Fagundes usou o Twitter para comentar o parecer de Elói Frizzo e questionou imparcialidade e transparência Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

O advogado do prefeito Daniel Guerra (PRB) está levantando uma situação referente ao relator da Comissão Processante da Câmara de Vereadores, Elói Frizzo (PSB), no processo de impeachment, que está no ar desde a escolha para a função. No Twitter, na sexta-feira, Heron fez 14 postagens sobre o parecer pela continuidade do processo e sobre os argumentos apresentados pelo relator. Por último, escreveu: 

"Para a reflexão: Alguém que passa grande parte da sua vida política se digladiando pejorativamente com o seu opositor, não deveria se declarar suspeito ou impedido de participar de uma comissão que deve manter imparcialidade e transparência?"

Leia mais:  
Situação se agrava para o prefeito de Caxias do Sul

Faz sentido. Frizzo é ferrenho adversário de Guerra, ligado ao movimento comunitário que tem sérios entraves junto à atual administração, propaga sem rodeios seu desejo de ver o prefeito fora do posto e, há tempos, fala  em impeachment. 

Em dezembro, logo após a escolha de seu nome para relator, foram destacadas declarações dele, como: "Se dependesse de mim, se dependesse só de mim, esse prefeito já estaria fora do Paço Municipal."

A dúvida se Frizzo e vereadores conhecidos, que têm feito oposição a plenos pulmões, vão separar o técnico, o político e o pessoal, na análise do processo, sempre existiu. E vai continuar até o final.

E a análise?

Algumas declarações feitas na coletiva dos vereadores da Comissão Processante, na quinta-feira, merecem ser resgatadas. A exemplo de Elói Frizzo, relator, dizendo ser isento e que o parecer foi técnico, porém, afirmando que o mérito das acusações não foi analisado. Ou seja, a decisão só foi de que a Câmara vai votar o impeachment. 

Confira:
:: "Nosso parecer é eminentemente técnico."
:: "O fato de ter uma posição política não implica que eu não deva ter, na condição de relator, a isenção necessária para procurar bem orientar os colegas vereadores."
:: "Eu me julgo completamente preparado para isso (para relatar)."
:: "Não entramos no mérito da análise de cada denúncia (sobre os sete tópicos que compõem o pedido de impeachment)."
:: "O entendimento unânime da comissão foi de que cabe, sim, sem dúvida nenhuma o enquadramento no artigo 4º (do decreto-lei 201/1967) das denúncias que estão ali colocadas."

Leia também:  
"São questões de detalhes, não de coisas gravíssimas", diz deputado Mauro Pereira sobre denúncia contra prefeito de Caxias
"Tem de ser comprovado, do contrário, passa a ser um golpe", diz deputado Pepe Vargas sobre impeachment do prefeito de Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros