Presidentes de partidos em Caxias do Sul defendem a moralização, mas têm pouca influência nas decisões nacionais - Política - Pioneiro

Versão mobile

 

Ética na política30/01/2018 | 07h00Atualizada em 30/01/2018 | 14h29

Presidentes de partidos em Caxias do Sul defendem a moralização, mas têm pouca influência nas decisões nacionais

Lideranças nacionais do PT, PMDB, PSDB e PRB são investigados por corrupção 

Presidentes de partidos em Caxias do Sul defendem a moralização, mas têm pouca influência nas decisões nacionais Montagem sobre as fotos de Divulgação/
Foto: Montagem sobre as fotos de Divulgação

A defesa da moralidade na política é unânime entre quatro presidentes de partidos caxienses. Os presidentes do PT, PMDB, PSDB e PRB pregam discursos de ética e contra a corrupção, mas as principais lideranças nacionais das siglas estão envolvidas em escândalos. Na semana passada, líderes dos quatro partidos analisaram o resultado da manutenção da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Ontem, o Pioneiro procurou saber porque a opinião das lideranças municipais têm pouca influência na decisão nacional das siglas.

Entre os casos mais emblemáticos está a denúncia contra o presidente da República Michel Temer (PMDB) no exercício do mandato. Ele foi gravado pelo empresário Joesley Batista dando aval para a compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O então Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, denunciou o presidente por obstrução à Justiça e organização criminosa. Com o apoio dos deputados, Temer se livrou da investigação do Supremo Tribunal Federal (STF). Agora, ele e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, do PMDB gaúcho, serão investigados após deixaram seus cargos.

No PT, a situação representativa é do ex-presidente Lula. Além da manutenção da condenação pelo TRF4, na semana passada, Lula também é réu em outras quatro ações penais. O partido tem ainda o ex-ministro José Dirceu condenado por corrupção ativa no julgamento do Mensalão e por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na Petrobras, na investigação da Lava-Jato.

Principal liderança política do PSDB, o senador Aécio Neves também tem uma mancha na sua trajetória. No ano passado, o então presidente nacional da sigla, foi gravado pedindo R$ 2 milhões para o empresário Joesley Batista, dono da JBS, para pagar sua defesa na Lava-Jato a título de propina. O STF decidiu pelo afastamento do tucano do mandato. Mais tarde, os senadores decidiram por devolver o mandato a Aécio.

O partido que comanda a prefeitura de Caxias também tem um caso nacional de corrupção na Lava-Jato. O empresário Joesley Batista afirmou à PGR que pagou R$ 6 milhões ao presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, a título de propina. Pereira era ministro da Indústria e Comércio Exterior do governo Temer. Em janeiro,  pediu exoneração do cargo.

Leia mais:
Prefeito de Caxias do Sul diz que ano será de agenda positiva
TRE nega recurso de prestação de contas de campanha do prefeito de Caxias do Sul


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros