Prefeito de Caxias do Sul diz que ano será de agenda positiva - Política - Pioneiro
 

Mirante29/01/2018 | 09h00Atualizada em 30/01/2018 | 15h00

Prefeito de Caxias do Sul diz que ano será de agenda positiva

Daniel Guerra (PRB) diz que pedido de impeachment não tem nenhuma sustentação

Prefeito de Caxias do Sul diz que ano será de agenda positiva André Tajes / Agência RBS/
Prefeito Daniel Guerra, governador José Ivo Sartori e soberanas da Festuva participaram da solenidade de abertura da colheita Foto: André Tajes / Agência RBS

Depois de um 2017 de muito barulho diante da troca de governo, das medidas implementadas e dos desentendimentos com o vice-prefeito Ricardo Fabris de Abreu (sem partido), o prefeito Daniel Guerra (PRB) anuncia 2018 como o ano da agenda positiva. Ontem, após a 10ª edição da Festa Oficial de Abertura da Colheita em Caxias, em São Luiz da 9ª Légua, contando com a presença do governador José Ivo Sartori (PMDB), o prefeito falou ao Pioneiro sobre alguns temas.

Guerra classificou o pedido de impeachment contra ele como descabido, sem nenhuma sustentação, e afirmou que as medidas jurídicas adotadas por sua defesa objetivam “restabelecer  o respeito à decisão soberana da população de Caxias”. O advogado do prefeito, Heron Fagundes, já declarou que o que está sendo buscado é a nulidade do processo.

O prefeito reafirmou a intenção de implantar a gestão compartilhada do Postão e disse que será reapresentada aos novos integrantes do Conselho Municipal da Saúde. 

– Desta vez, esperamos que o interesse público se sobreponha e que os interesses menores e corporativistas não venham a acontecer – definiu.

A entrevista foi concedida ao repórter André Tajes. Confira:

O ano de 2018 será mais calmo ou continuará tumultuado? Como o senhor imagina?
Uma administração que segue com uma meta muita clara de fazer com que possamos ter uma agenda extremamente positiva, uma vez que 2017 foi o ano para por a casa em ordem e as coisas nos seus lugares, para defender o interesse público e de fato a população pudesse ser reconhecida e respeitada. Este é o ano da agenda positiva, de muito a ser concretizado e entregue, por exemplo, como a aquisição de novas ambulâncias, novas viaturas para a Guarda Municipal, a viabilização de trechos de pavimentação para diversas comunidades do nosso interior.

Na quinta-feira, começa o prazo para sua defesa no processo de impeachment. O senhor pretende tomar alguma medida para barrar a investigação da Comissão Processante?
O processo de impeachment em Caxias do Sul não pode ser banalizado como vem sendo, pois é um processo muito importante para a democracia. Essa situação já se provou ser totalmente descabida, sem nenhuma sustentação, prova são as constantes vitórias obtidas pelo nosso jurídico e a regra continua a mesma. A questão do impeachment não vai fazer com que percamos um minuto sequer para a ação de agirmos 100% focados como prefeito de Caxias, e este assunto somente é tratado pelo corpo de advogados que contratei e que tem tomado com muita eficiência as providências para restabelecer o respeito à decisão soberana da população de Caxias.

O TRE diz que não é possível identificar a origem de recursos da sua campanha à prefeitura. Esse ato não arranha a sua imagem?
De forma alguma. Essa manifestação se refere a uma doação que eu como de costume fiz de mim pessoa física para a minha conta de campanha. Eu fiz de cheque meu, pessoa física, para a conta da campanha. Fiz com cheque quando a norma da Justiça Eleitoral para a eleição de 2016 era de que  as transações deveriam ser feitas por TED (Transferência Eletrônica Disponível), então essa norma deveria ter sido feita e, por um equívoco, foi feito através de cheque. E, desta forma, houve um apontamento e nós entendemos que é legítimo e respeito a decisão da Justiça.

Seus opositores dizem que a transferência de servidores para as UBSs é uma tentativa de enfraquecer o Postão.
Temos que lamentar o grande equívoco dos membros do Conselho de Saúde quando no final do ano passado barraram o Programa UBS+, que seria a solução do grande problema que existem nas nossas UBSs há décadas, que é a falta de médicos, falta de profissionais. Nós identificamos como meta e compromisso que tínhamos, que faríamos a solução do problema da falta de profissionais nas UBSs (unidades básicas de saúde) e que para isso acontecer nós precisamos, porque ainda não desistimos, desta ação que vai resolver o problema da saúde dos nossos bairros. Esperamos agora com a posse dos novos conselheiros do Conselho Municipal da Saúde que possam corrigir o grande equívoco que foi causando em prejuízo à população nas nossas UBSs. Nós estamos aqui para solucionar, temos o formato que é o programa UBS+, e também solucionar a situação que se arrasta por décadas na questão do Postão que não tem sido eficiente, que tem feito as pessoas esperaram muitas horas. Continuamos com a convicção que a solução do Postão (Pronto-Atendimento 24 Horas) passa pela gestão compartilhada e apresentaremos para o novo Conselho Municipal da Saúde e, desta vez, esperamos que o interesse público se sobreponha e que os interesses menores e corporativistas não venham a acontecer.

O município recorreu ao Tribunal de Justiça para declarar extinto o mandato do vice-prefeito. A continuidade da ação não reacende a polêmica e desvia o foco do governo?
Também não perdemos um minuto com relação a essa matéria. Essa é uma decisão da aguerrida e competentíssima Procuradoria-Geral do Município, que entendeu fazer esse recurso dentro do rito do Poder Judiciário.


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros