Vereadores fecham o cerco em busca de atendimento do governo Daniel Guerra - Política - Pioneiro

Mirante16/11/2017 | 13h25Atualizada em 16/11/2017 | 13h25

Vereadores fecham o cerco em busca de atendimento do governo Daniel Guerra

Dois projetos de emenda à Lei Orgânica, referentes às indicações e às convocações de secretários para esclarecimentos, têm assinatura de 19 parlamentares

Vereadores fecham o cerco em busca de atendimento do governo Daniel Guerra Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Rodrigo Beltrão, que coletou as assinaturas, diz que projetos buscam maior atenção da administração às solicitações dos vereadores Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Os vereadores de Caxias estão fechando o cerco em busca de atenção do governo Daniel Guerra (PRB) às suas demandas, cobranças e críticas. Diante da dificuldade que os parlamentares têm de atendimento junto aos secretários municipais, uma vez que todas as solicitações devem passar pelo titular da pasta de Governo, Luiz Caetano, que é o interlocutor, foram protocolados dois projetos de emenda à Lei Orgânica Municipal. 

Com a assinatura de 19 vereadores, uma proposição torna obrigatório que o Executivo responda em 30 dias sobre a viabilidade das indicações feitas pelos parlamentares; a outra determina que o comparecimento de membros do governo, convocados pelo Legislativo, ocorra no início da Ordem do Dia das sessões ordinárias, sob pena de o descumprimento caracterizar crime de responsabilidade.

Em relação às indicações, Rodrigo Beltrão (PT), um dos vereadores proponentes e que buscou as assinaturas, diz que a medida se fez necessária pelo fato de as solicitações dos vereadores não setem atendidas ou sequer respondidas.

Leia também:
Votação da revisão do Plano Diretor pela Câmara de Caxias ficará para 2018
Lei aumenta de seis para 18 bairros em Flores da Cunha
Câmara de Caxias restabelece passe livre para Amobs
Justiça julga improcedente ação que pedia cassação de vereadores de Nova Prata 

– Vários vereadores constataram que as indicações sequer saem do Gabinete e vão para a secretaria correspondente ao assunto – afirma o petista, reforçando que responder trata-se de respeito institucional, o que não ocorre hoje.

O segundo projeto prevê convocar secretários municipais, titulares de autarquias ou instituições de que participe o município e servidores para, pessoalmente, prestar informações sobre assuntos de sua pasta previamente determinados, em sessão ordinária no início da Ordem do Dia, comunicando a data. No caso de não-comparecimento no prazo de cinco sessões ordinárias, contadas da data do recebimento da comunicação, sem justificação adequada, será aberto processo por crime de responsabilidade.

Para Beltrão, esse é um modo de assegurar que casos como o do chefe de Gabinete, Julio César Freitas da Rosa, convocado no dia 25 de maio, não ocorram novamente. Na ocasião, ele compareceu às 11h45min do dia 7 de junho, sendo que normalmente a sessão ordinária é encerrada às 11h30min. 

– Ele fez uma pegadinha, marcando para próximo das 12h, achando que a sessão acabaria antes.

Atualmente, os convocados escolhem data e horário. Não precisa ser na sessão.

Apenas não assinaram os dois projetos os vereadores governistas Chico Guerra (PRB) e Renato Nunes (PR); e Edson da Rosa e Felipe Gremelmaier (ambos do PMDB), o primeiro porque estava ausente, em representação da Câmara, quando Beltrão coletou as assinaturas, e o segundo não pode assinar por ser presidente da Casa.

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros