PEN, ou Patriota, tenta atrair vice-prefeito de Caxias e irmã de Guerra - Política - Pioneiro

Mirante01/11/2017 | 09h20Atualizada em 01/11/2017 | 09h43

PEN, ou Patriota, tenta atrair vice-prefeito de Caxias e irmã de Guerra

Partido para onde vai Jair Bolsonaro, que disputará Presidência da República, começa movimentos procurando se fortalecer na cidade

PEN, ou Patriota, tenta atrair vice-prefeito de Caxias e irmã de Guerra Arquivo Pessoal/Divulgação
Ricardo Fabris de Abreu esteve com Jair Bolsonaro em Brasília Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

O PEN, que aguarda autorização do TSE para se transformar em Patriota, partido pelo qual o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) deve concorrer à Presidência da República, está se articulando em busca do fortalecimento da sigla em Caxias do Sul. E quem está na mira, de imediato, é a irmã do prefeito Daniel Guerra (PRB), Dalva Guerra, pré-candidata a deputada estadual. O presidente do PEN (Patriota) em Caxias, João Dreher, vai convidá-la para ingressar no partido e concorrer a uma cadeira à Assembleia Legislativa. Tem mais: o presidente estadual, Luis Afonso Gravi Teixeira, por sua vez, já fez o convite ao vice-prefeito Ricardo Fabris de Abreu (PSD). O PEN faz parte da coligação que está no comando da prefeitura.

Caso os convites sejam aceitos, a família Guerra e Fabris podem voltar a integrar o mesmo partido, apesar de todas as divergências e confrontos existentes. Fica no ar se o mesmo caminho seria seguido pelo prefeito e pelo irmão e vereador Chico Guerra. No caso de Chico, dependeria das definições da janela partidária (seis meses antes das eleições). 

Dalva Guerra, presidente do PRB Mulher.
Dalva Guerra pré-candidata a deputada estadual receberá convite do PEN/PatriotaFoto: Júlio Fernandes / Divulgação

Leia também
Vereador Rodrigo Beltrão, de Caxias, volta a falar em sair do PT

Luis Afonso diz que o partido está aberto e que não se envolve nestas questões pessoais "que nem deveriam existir", em referência às relações tumultuadas entre Guerra e Fabris. O convite foi feito ao vice-prefeito quando ele esteve recentemente na palestra de Eduardo Bolsonaro, também deputado federal pelo PSC, filho do pré-candidato à Presidência. 

– Antes, em Caxias, já havia feito o convite. Agora, foi só um reforço. As portas estão abertas para "as pessoas de bem" – afirma Luis Afonso.

Ele conta que participou da campanha de Guerra e do processo de transição. Depois disso, revela que nunca mais foi recebido pelo prefeito, enquanto Fabris sempre o recebeu. Mesmo assim, diz que cada um tem suas razões e o partido apoia o governo Guerra.

Dreher, por sua vez,  fará uma reunião no dia 18 de novembro, na sede do partido, com apoiadores da candidatura de Bolsonaro. Um deles é o vereador Renato Nunes (PR), de quem é assessor na Câmara. O pré-candidato a deputado federal é Sandro Fantinel, que concorreu a vereador. Dreher também pretende convidar Bolsonaro para vir a Caxias.

Possibilidade existe

O vice-prefeito Ricardo Fabris de Abreu admite que existe a possibilidade de ir para o partido que terá Bolsonaro como candidato a presidente (inclusive, enviou foto deles em Brasília). 

– Mas ainda estou no PSD, é preciso, por lealdade, conversar com as lideranças e também com o dr. (Sérgio) Augustin, que está sem partido – afirma.

Não foi obtido contato com Dalva Guerra.

Assédio

O presidente do PRB, Heron Fagundes, tem conhecimento do interesse do PEN na filiada e pré-candidata, pois João Dreher o informou que faria o convite.

– Respondi que da minha parte não existia nenhuma objeção quanto ao contato que ele gostaria de realizar. Quanto ao "possível ingresso dela (Dalva)" no PEN, penso que neste momento trata-se mais de assédio por parte do PEN, que gostaria de tê-la como candidata a deputada, do que iniciativa ou vontade dela. Não visualizo nenhum desconforto ou sinalização de que ela tenha interesse em deixar o PRB, pelo contrário.

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros