Disputas por espaço para concorrer geram dilemas em partidos de Caxias do Sul  - Política - Pioneiro

Eleições08/11/2017 | 14h06Atualizada em 08/11/2017 | 14h06

Disputas por espaço para concorrer geram dilemas em partidos de Caxias do Sul 

PMDB, PDT e PT tentam resolver crises internas 

A eleição do ano que vem tem gerado crises em três dos principais partidos de Caxias do Sul. PMDB, PDT e PT tentam resolver seus dilemas internos para chegar na campanha eleitoral de forma unificada e com chances de vitória. Mas o processo não é tão simples. São muitos interessados em concorrer e direções preocupadas em não lançar um grande número de candidatos. E há também reclamações de falta de espaço para crescer dentro do partido.

Leia mais
Aplicativo idealizado por vereador de Caxias do Sul é premiado
Vice-prefeito de Caxias do Sul se desfilia do PSD
Deputado Mauro Pereira "pede a cabeça" da ministra Luislinda
"Estado não vai atrasar aeroporto", diz Carlos Búrigo, secretário estadual de Planejamento

Cinco pré-candidatos à Assembleia

Com cinco pré-candidatos a deputado estadual, o PDT quer reduzir o número a, no máximo, dois. O diretório estadual, aliás, entende que a cidade comporta essa quantidade de candidatos, e não mais. Para isso, o partido realizará uma reunião da executiva municipal com os postulantes ainda neste mês. 

A intenção do presidente da sigla, Alceu Barbosa Velho, é chegar a um consenso de qual a melhor estratégia e quais os melhores nomes para concorrer à Assembleia.

Por enquanto, nenhum dos cinco pretendentes — Edson Néspolo, Vinicius Ribeiro, Rafael Bueno, Gustavo Toigo e Miguel Grazziotin — desistiu formalmente da pré-candidatura. Todos estão firmes no páreo. No entanto, Grazziotin já manifestou que abriria mão para Rafael concorrer. Rafael, por sua vez, diz que, se o partido entender que apenas um nome deve ser lançado por Caxias, ele desistiria em prol de Néspolo. O presidente da GramadoTur e candidato a prefeito de Caxias do Sul nas eleições de 2016 também abre mão caso o partido decida por outro ou outros candidatos. 

Já Vinicius defende que, por ter já ter assumido como deputado e trabalhado pela comunidade regional, sua candidatura é natural. Ele espera que o PDT se sensibilize e entenda que agora é o seu momento, além de reconhecer sua lealdade e fidelidade à sigla: 

— Fui muito leal e fiel à comunidade e ao partido e acredito que preciso receber agora isso.

Quatro nomes para Legislativos

No partido do governador José Ivo Sartori, quatro nomes de Caxias estão colocados como pré-candidatos: os do já deputado Mauro Pereira e do ex-vice-prefeito Antonio Feldmann para deputado federal; e os do secretário estadual de Planejamento, Governança e Gestão, Carlos Búrigo, e do vereador Edson da Rosa para deputado estadual. 

Hoje, o diretório municipal se reúne e deve discutir se o partido irá indicar um ou dois candidatos a federal e a estadual. Decidindo por dois, todos ficariam satisfeitos. Mas optando por apenas um de cada, a disputa fica acirrada. Mauro prefere não falar sobre eleições agora. Diz que está focado em seu mandato.

Feldmann, que estava descontente com a falta de espaço e chegou a cogitar a saída do PMDB, está mais confiante agora. Seu nome, que pode ser lançado a federal ou a estadual, embora a preferência seja a Câmara. 

— Defendo que haja busca de consensos — diz ele. 

Búrigo, que esteve em Caxias na segunda-feira, na CIC, não confirmou se irá concorrer a deputado no ano que vem. 

"A gente não quer perder ele"

A insatisfação do vereador Rodrigo Beltrão será tema de uma reunião da executiva municipal do PT nos próximos dias. O encontro pode ocorrer ainda nesta semana. A direção quer ouvir Beltrão e saber os motivos de sua indignação. O vereador já manifestou publicamente o desejo em deixar a legenda. Ele reclama dos movimentos na eleição  passada para prejudicá-lo e da falta de espaço para uma candidatura a deputado estadual, além do centralismo do deputado federal Pepe Vargas. 

— A gente não quer perder ele. Vamos ouvir, ver quais as reclamações para ver se ainda é possível ele permanecer no nosso partido — diz Ana Corso, vereadora e presidente do PT caxiense. 

Conforme Ana, na eleição de 2014, Beltrão concorreu a deputado e teve apoio da corrente Democracia Socialista, integrada por Ana, Pepe e Beltrão. A vereadora Denise Pessôa e o ex-vereador e ex-candidato a prefeito Marcos Daneluz já se colocaram à disposição para a Assembleia.

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros