Vereadores requentam denúncia com pedido de explicações ao prefeito Daniel Guerra - Política - Pioneiro

Mirante12/09/2017 | 10h30Atualizada em 12/09/2017 | 10h50

Vereadores requentam denúncia com pedido de explicações ao prefeito Daniel Guerra

Foi aprovado o requerimento com temas apresentados no documento que defendia o impeachment, rejeitado na semana passada

Vereadores requentam denúncia com pedido de explicações ao prefeito Daniel Guerra Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

 Depois da rejeição ao pedido de impeachment do prefeito Daniel Guerra (PRB), há uma semana, alguns vereadores requentam as supostas infrações político-administrativas apontadas pelo bacharel em Direito João Manganelli Neto. Os vereadores do PDT, Rafael Bueno, Gustavo Toigo, Ricardo Daneluz e Velocino Uez; do PTB, Adiló Didomenico, Alceu Thomé e Flavio Cassina; do PSB,  Edi Carlos Pereira de Souza e Elói Frizzo; e Renato Oliveira, do PCdoB, assinam um requerimento em busca de explicações do prefeito que foi apreciado e aprovado na sessão desta terça-feira. 

Leia mais:
Número de prisões cresce em Caxias do Sul pela primeira vez em cinco anos
Rotatória de Fazenda Souza, em Caxias do Sul, não deve ser concluída até outubro
Mais da metade das escolas registra adesão à greve de professores da rede estadual em Caxias

 A medida estava articulada desde antes da votação. No comando do requerimento estão os principais adversários de Guerra. A decisão da semana passada deveria ter sido suficiente. Uma vez que a Casa decidiu não aceitar o pedido para investigar e esclarecer o que constava no documento, seja porque a oposição não tinha garantia de votos para aprovar o impeachment lá adiante, seja por receio à opinião pública e aos prejuízos eleitorais, além de o pedido não ter sustentação jurídica, fica claro que o requerimento é uma nova cartada desse grupo para emparedar o prefeito. Fato é que os temas em pauta não são novidade, já foram alvo de outros questionamentos, discursos, críticas, debates... 

Aliás, vale destacar que, se na legislatura passada as moções estavam em alta, na atual os requerimentos é que estão no topo. Ok, trata-se de uma atribuição dos parlamentares usada para fiscalizar o Executivo, mas está se consolidando como principal instrumento para alguns. 

Lógico que esse uso excessivo do expediente se deve à falta de trânsito junto ao governo, o que dificulta a obtenção de informações. Mas, por outro lado, não se ignora que é também um meio constante de criar polêmicas e expor a administração.


 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros