Quais lições ficaram do pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul?  - Política - Pioneiro

Governo municipal09/09/2017 | 09h33Atualizada em 09/09/2017 | 09h33

Quais lições ficaram do pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul? 

Governo e oposição espera que episódio produza melhoria da relação política

Quais lições ficaram do pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul?  Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

A semana, embora curta por conta do feriadão, foi turbulenta devido à votação do pedido de impeachment do prefeito Daniel Guerra (PRB). Votada na terça-feira pela Câmara de Vereadores, a denúncia foi rejeitada por unanimidade. O resultado provoca análises e reflexões e permite que os envolvidos possam tirar lições do episódio — é o que se espera.

Leia mais
"O prefeito saiu fortalecido", avalia presidente do PRB de Caxias do Sul
10 projetos considerados inconstitucionais seguem tramitando na Câmara de Caxias
Participação de Chico Guerra na votação do pedido impeachment do prefeito de Caxias gerou críticas

Chefe de Gabinete da administração municipal, Júlio César Freitas da Rosa acredita que a grande lição foi de respeito ao desejo da comunidade, que elegeu Guerra em outubro do ano passado:

— Se houvesse irregularidade, tenho certeza de que os vereadores levariam adiante. Eles entenderam a responsabilidade que tinham em respeitar a vontade da população.

Para o líder do governo no Legislativo, Chico Guerra (PRB), a pressão popular foi fundamental e mostrou aos parlamentares que as pessoas estão atentas e irão pressionar quando perceberem movimentos da "velha política".

— A população deu o recado nas urnas e está sempre pronta para lembrar a todos que quem manda na cidade é o povo, e não os políticos — frisa.

Já os vereadores de oposição esperam que o processo todo, apesar do resultado favorável ao prefeito, possa promover mudanças na forma como Guerra se relaciona com a sociedade e com a Câmara. Líder da bancada do PT, Rodrigo Beltrão acredita que, diante da atitude, que ele considera responsável, dos vereadores, o prefeito deve dar um passo nesse sentido, "de maturidade democrática".

Mas a expectativa dos vereadores de uma autocrítica por parte de Guerra já vem com um certo pessimismo.

— Se eu fosse denunciada, levaria muito a sério, iria rever posicionamentos. Mas a declaração do prefeito, de que vai seguir trabalhando igual, não me pareceu ter reflexão — analisa Paula Ioris, vereadora do PSDB.

O resultado favorável a Guerra foi, para Elói Frizzo (PSB), fruto de uma postura que o prefeito dificilmente teria se ainda estivesse na Câmara como vereador.

— Se fosse outro prefeito alvo de pedido de impeachment, qual seria o voto do Daniel? — questiona ironicamente.

Sem base legal e material, a denúncia não poderia, segundo Frizzo, ser aceita. Mas alerta:

— Esse resultado não significa que na frente, em processo similar, não tenha desfecho diferente.

"Era um direito meu"

Autor da denúncia contra o prefeito Daniel Guerra, o bacharel em Direito João Manganelli Neto considera que o Legislativo demonstrou responsabilidade e maturidade democrática ao analisar de forma técnica o documento. Por escrito, ele disse ao Pioneiro que era um direito seu apresentar a denúncia, assim como era direito de cada vereador votar conforme as suas convicções. 

— Creio que, como resultado disso, o prefeito tem a opção de avaliar o seu governo, corrigir as falhas e aproveitar o voto de confiança que os vereadores lhe deram para continuar governando, sob pena de qualquer cidadão denunciá-lo se o seu governo piorar e tiver irregularidades insanáveis — destacou, por e-mail.



 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros