"O sistema é do balcão de negócios", diz senador Álvaro Dias - Política - Pioneiro

Entrevista da 2ª28/08/2017 | 08h40Atualizada em 28/08/2017 | 08h40

"O sistema é do balcão de negócios", diz senador Álvaro Dias

Político trocou PV pelo Podemos, antigo PTN, e deve concorrer à Presidência em 2018

"O sistema é do balcão de negócios", diz senador Álvaro Dias Tadeu Vilani/Agencia RBS
Álvaro Dias já foi governador do Paraná e está em seu segundo mandato no Senado  Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Líder do Podemos (ex-PTN) no Senado, Álvaro Dias irá disputar a Presidência da República em 2018 e aposta no fator novidade para atrair simpatizantes. A experiência como governador do Paraná, deputado estadual e federal será explorada durante o período eleitoral.

Entrevista da 2ª

Dias estava no PV e ingressou no Podemos quando a sigla trocou de nome, em julho deste ano. Nesta entrevista, o senador em segundo mandato fala sobre a linha do Podemos e avalia o governo do presidente Michel Temer (PMDB). Confira:

Pioneiro: Por que o senhor ingressou no Podemos?
Álvaro Dias:
É a busca de um caminho que motive a atuação política, uma vez que os partidos tradicionais foram arrasados pela Operação Lava-Jato e estão desacreditados. A expectativa é de condenação nas urnas. Tivemos o convite da Renata Abreu, presidente do partido, que há mais de dois anos estuda esse movimento europeu de surgimento de "partidos-movimento", que defendem causas, que procuram fazer a leitura do que a sociedade elegeu como prioridade, com consulta popular constante. O que se deseja é um modelo distante do que há hoje. Imaginamos que seja possível chegar mais próximo da população.

Qual a linha do Podemos?
Nós condenamos essa espécie de Gre-Nal da política, extrema esquerda contra extrema direita. Achamos que é possível caminhar pelo centro, aproveitando boas ideias da direita, boas ideias da esquerda. Na economia, o que o partido defende é o liberalismo, o combate à corrupção como meta prioritária, consulta popular para identificar as prioridades da população.

É possível aliar pensamentos opostos?
É, porque, na verdade, ninguém é proprietário de nenhuma tese. Não dá para aceitar que a esquerda seja proprietária da tese, por exemplo, de melhor distribuição de renda, redução das desigualdades sociais. Não existem proprietários dessas causas. Quem tem sensibilidade humana certamente defende melhor justiça social. E não é a direita a proprietária da tese de que o Estado tem de ser mais enxuto, mais eficiente.

Leia mais
Vereador Paulo Périco é o novo presidente do PMDB de Caxias do Sul
Parecer da executiva do PP de Caxias é pela expulsão de filiado que pediu impeachment de Daniel Guerra
Presidente do PP quer expulsão de filiado que pede impeachment do prefeito de Caxias
Protocolado pedido de impeachment do prefeito de Caxias do Sul na Câmara


O que o senhor defende para o Brasil como pré-candidato a presidente?
O Brasil é um país que precisa de reformas, colocando em primeiro lugar o Estado brasileiro. O conceito de Estado tem de mudar. Hoje, há uma falência do sistema de governança, porque o Estado se agigantou. Aquela frase que é considerada da direita, ¿menos Estado e mais sociedade¿, é perfeita. Temos de caminhar para isso. Mas não basta essa reforma do Estado com a mudança do sistema de governança. É preciso implementar reformas como do sistema federativo. A federação está desequilibrada, com injustiças que estabelecem diferenças regionais gritantes. A Reforma Política, que se promete mas não se realiza. A Reforma Tributária, que agora anuncia-se e iniciará o debate na Câmara. A Reforma da Previdência. A reforma da Reforma Trabalhista, que se fez apressadamente.

Nomes já conhecidos da população, como Lula e Jair Bolsonaro, devem concorrer a presidente. Como fazer para se destacar?
O importante é se fazer conhecido positivamente. Muitas vezes, é melhor ser desconhecido do que conhecido negativamente. Nós temos uma trajetória política que muitos conhecem, outros não, mas não é difícil recuperar a trajetória realizada e acho que deve prevalecer na campanha esse conjunto da obra de ação política. Passei pelo governo do Paraná, então, tive essa experiência administrativa e é preciso que ela seja apresentada. E todo esse desempenho também no parlamento, especialmente nos últimos anos, quando poucos ousaram fazer oposição houve quem fizesse e, certamente, isso não será ignorado durante o debate eleitoral, porque não basta o último gesto, a última ação, o último discurso para avaliação popular. O que vale é o itinerário percorrido.

Qual sua avaliação sobre o Governo Temer?
É difícil uma avaliação que não coloque à frente a questão ética. Há um desprezo total à ética. O sistema é o mesmo dos últimos 15 anos, promíscuo, do balcão de negócios, que puxa para baixo a qualidade da administração e estabelece o desperdício da corrupção institucionalizada. A mudança essencial seria do sistema, mas não ocorreu. Esse sistema implica a desgovernança e, como ele é mantido, a desgovernança persiste.

Leia também
Acesso da população a bens sociais criou uma nação de consumistas, diz Frei Betto
"É possível visitar o inferno e sair dele", diz ex-vereador Harty Moisés Paese
Senadora Ana Amélia Lemos confirma candidatura à reeleição em 2018
"Sem Reforma da Previdência, a saída será o aumento de impostos", diz Perondi
"Não tenho nenhum medo e estou à disposição", diz Eduardo Leite sobre ser candidato ao governo do RS
Mirando o Piratini, Jairo Jorge defende novos caminhos para o Estado


O senhor chegou a defender a renúncia do presidente Temer. Continua achando que ele deve renunciar?
Acho que agora é tarde. O erro foi realizar um impeachment pela metade. Eu defendia o impeachment completo, que envolveria o vice-presidente, e aí, em razão da Constituição, se estabeleceria um processo de eleição direta. O processo agora, se houver vacância do cargo, é indireto, e nós sabemos o tempo que leva. Retirar o presidente do poder só ocorreria rapidamente se houvesse renúncia. Como não haverá, qualquer outro processo de impeachment é lento e mesmo essa denúncia do procurador-geral da República não passou pela Câmara e certamente a segunda também não passará, então não vejo como se possa retirar o presidente do poder antes do final do seu mandato.

O Podemos irá compor ou vai de chapa pura?
Nossa condenação ao sistema nos obriga às alianças ampliadas, às coalizões partidárias, que são a causa desse desastre que há. Nós estamos muito preocupados com alianças, porque é possível que aconteça alguma aliança com partidos menores, mas sem perder o foco que a prioridade é a mudança desse sistema. Não é um governo de coalizão que resolve o impasse da crise. Temos de ter uma ruptura com esse sistema. Obviamente, as alianças ampliadas trabalham contra essa ideia.

As pessoas brincam que é preciso ter cuidado com o vice. Em Caxias, prefeito e vice não se relacionam. O senhor terá um cuidado especial com a escolha do vice?
Acho que isso é histórico, mas não é por essa questão. É um fato que há essa dificuldade de convivência muitas vezes. A Dilma que o diga. Mas a escolha do nome do vice passa por vários fatores. O primeiro e mais importante é o conceito, há que se compor uma chapa buscando um vice que valorize a chapa pelo seu conceito pessoal, de qualidade humana, sobretudo.

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros