Conflito entre prefeito e vice de Caxias quase tem desdobramento na polícia - Política - Pioneiro

Mirante20/07/2017 | 09h02Atualizada em 20/07/2017 | 09h07

Conflito entre prefeito e vice de Caxias quase tem desdobramento na polícia

Por não conseguir atendimento à solicitação no arquivo-geral do Centro Administrativo, Fabris acionou a Guarda e BM, mas caso acabou resolvido sem intervenção policial

Conflito entre prefeito e vice de Caxias quase tem desdobramento na polícia Diogo Sallaberry / Agência RBS/Agência RBS
Sucessão de episódios constrangedores envolvem Guerra e Fabris  Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS / Agência RBS

O conflito entre o prefeito Daniel Guerra (PRB) e o vice Ricardo Fabris de Abreu (sem partido) quase parou na polícia. Uma servidora é quem iria passar pelo constrangimento, por ter se negado a protocolar uma solicitação de vistas de um processo sobre a designação de estrangeiro para cargo comissionado, sobre trabalho voluntário na administração pública e da estrutura administrativa mínima do gabinete do vice.

A funcionária do Arquivo-geral da prefeitura teria dito a Fabris que havia uma ordem da secretária de Recursos Humanos e Logística, Vangelisa Lorandi, de não fornecer processos a ele. Na iminência de ter que ir à delegacia prestar informações, ela protocolou a solicitação de Fabris. O vice desistiu de levar o caso para a área policial.

Leia Mais: 
Decreto descongela salários de secretários municipais e CCs em Caxias do Sul
Vereador faz voto de pesar por morte de cão
Questionada a base legal para prefeito Daniel Guerra afirmar que não tem vice
CIC emite sinal de preocupação com secretários do governo Daniel Guerra

Vangelisa, por sua vez, disse que todo e qualquer documento público pode ser solicitado cópia pelo munícipe, mas é preciso protocolar e, em até cinco dias, o município fornece.

— O protocolo é igual para qualquer cidadão, seja para o prefeito, o vice-prefeito ou o secretário. Foi protocolado e recebi no final da tarde na minha mesa o pedido de cópia do senhor Ricardo Fabris. Vamos avaliar e desde que não influencie alguma questão de ética e de sigilo, será entregue.

Quanto à determinação de não repassar documentos ao vice, primeiro ela negou, após disse que está sendo cumprida uma ordem de serviço do Gabinete, que é quem deve se manifestar. E afirmou que nunca foi negado nada.

Caxias não merece esse espetáculo degradante protagonizado por Guerra e Fabris. Os servidores não podem ser usados nessa briga. Alguém deve intervir com urgência. (Com André Tajes)


 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros