Como foram os primeiros seis meses da atual legislatura da Câmara de Caxias do Sul - Política - Pioneiro

Vereadores05/07/2017 | 10h49Atualizada em 05/07/2017 | 10h49

Como foram os primeiros seis meses da atual legislatura da Câmara de Caxias do Sul

Para presidente da Câmara, Felipe Gremelmaier, maior legado deste ano foi a transparência

Como foram os primeiros seis meses da atual legislatura da Câmara de Caxias do Sul Roni Rigon/Agencia RBS
Na foto, seis dos vereadores que estreiam na Câmara e três parlamentares antigos Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

O segundo semestre da Câmara de Vereadores começa com 25 projetos aprovados: sete deles são de autoria do Executivo e os outros 18 do Legislativo. Vinte e três foram aprovados nos primeiros seis meses do ano; dois foram à votação nesta terça-feira. Entre as iniciativas, o reajuste dos vencimentos e salários dos servidores.

Leia mais
Iotti: enquanto isso, na prefeitura de Caxias do Sul....
Secretária de Governo da prefeitura de Caxias deixa cargo no dia 10
Vereador de Caxias do Sul diz que "melhor fiscal que tem para o açougue é a dona de casa"
Governo Guerra pede retorno de servidores da prefeitura que estão na Câmara de Vereadores

Há propostas que impactam diretamente na vida da população, como o projeto que obriga agências bancárias e cooperativas de crédito a contratar vigilância armada, diariamente, durante as 24 horas, inclusive aos finais de semana e feriados. A proposta do vereador Rodrigo Beltrão (PT) foi sancionada pelo prefeito Daniel Guerra (PRB) e já é lei.

Mas para o presidente da Câmara, Felipe Gremelmaier (PMDB), o desempenho da Casa não pode ser medido apenas pelo número de projetos de lei apresentados e aprovados, "até porque, para apresentar uma lei que 'pegue', é preciso estudar muito, ouvir muita gente". De fato, o trabalho dos vereadores não se resume à votação de propostas no plenário.

Os parlamentares integram diferentes comissões, responsáveis por analisar as propostas e encaminhar demandas. Nesta terça-feira, por exemplo, a Comissão de Saúde visitou o prédio da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Zona Norte, pronto, porém ainda fechado.

Além disso, há as audiências públicas, como a desta terça, que discutiu com motoristas do Uber o projeto do Executivo que normatiza o transporte motorizado privado individual e remunerado de passageiros por aplicativos.

Para Gremelmaier, o grande legado do primeiro semestre é a transparência. Neste ano, o Legislativo lançou o Parlavox, ferramenta que disponibiliza no site da Câmara os discursos dos vereadores no plenário em vídeo e por escrito, na íntegra. Para os próximos meses, a intenção é de divulgar as votações em tempo real.

— Nestes seis meses, nossa maior conquista foi a transparência ativa, a confirmação da honestidade política das pessoas que a população escolheu. O segundo semestre vai revelar a dimensão da responsabilidade que esta casa legislativa, que completa 125 anos, assume com o futuro da cidade — diz Gremelmaier.

10 pareceres já foram derrubados

Os pareceres de inconstitucionalidade emitidos pela Comissão de Constituição, Justiça e Legislação (CCJ), que costumavam ser acatados na legislatura passada, têm sido derrubados com facilidade agora. Já são 10 pareceres rejeitados, o que faz com que projetos considerados inconstitucionais retornem à discussão em plenário.

Um dos casos é o do projeto que autoriza o Poder Executivo a instituir o programa "Fila Zero" no atendimento de pessoas diagnosticadas com câncer. A proposta foi apresentada pelo prefeito Daniel Guerra (PRB) quando ele era prefeito e foi desarquivada neste ano por Adiló Didomenico (PTB).

A proposta, que prevê que sejam agendadas consultas ou exames no prazo de 48 horas, após o encaminhamento médico, seria, em princípio, inconstitucional. Mas com o parecer derrubado, ela tramita normalmente na Câmara e pode ir à votação.

Olhômetro - De olho nos vereadores

Entra e sai

A composição original da Câmara alterou-se. Elizandro Fiuza (PRB) foi para o secretariado, substituído por Renato Nunes (PR). Ana Corso (PT) substitui desde ontem Denise Pessôa (PT), em licença-maternidade. Flávio Cassina (PTB) licenciou-se por 30 dias e foi substituído em junho por Clóvis Xuxa (PTB).

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros