Diálogo é a palavra de ordem dos que foram protestar na prefeitura de Caxias - Política - Pioneiro

Mirante14/06/2017 | 08h52Atualizada em 14/06/2017 | 14h43

Diálogo é a palavra de ordem dos que foram protestar na prefeitura de Caxias

Apesar da pequena adesão, manifestação reflete que insatisfação começa a aparecer. Prefeito deveria saber ouvir 

Diálogo é a palavra de ordem dos que foram protestar na prefeitura de Caxias Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Vice-prefeito Fabris fotografou e disse que pronunciamentos foram significativos  Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A primeira manifestação contra ações do prefeito Daniel Guerra (PRB) e em defesa de políticas públicas foi uma forma de mostrar que alguns setores querem ser ouvidos. Um direito de todo cidadão. Serve de alerta para perceber que, embora Guerra tenha sido eleito com expressiva votação, a insatisfação começa a aparecer. Porém, a mobilização teve adesão bem abaixo da expectativa informada ao Mirante, que era a de reunir cerca de mil pessoas, conforme o presidente da comissão de negociação dos médicos do SUS em greve, André Pormann.

Leia mais
Prefeito de Caxias do Sul ignora o primeiro protesto contra seu governo
Mudanças oficializam contradições no discurso do prefeito de Caxias
Especialistas defendem cidades eficientes para as próximas gerações

Pelo número de participantes, cerca de 150 pessoas, o movimento foi fraco, mas é preciso pensar na reação que começa a surgir. Se vai aumentar ou ter continuidade — o anúncio é de manifestação a cada 15 dias —, não se sabe.

Guerra se elegeu com a máxima de que iria governar para as pessoas, independentemente de cores partidárias. Receber os mais variados segmentos da sociedade ajudaria a tornar um pouco mais tranquilas as relações políticas com alguns e, quem sabe, segurasse a proliferação de polêmicas. Teria sido um belo gesto se ele tivesse convidado alguns representantes para uma conversa. O fato de ter os médicos do SUS em greve desde 17 de abril, na liderança do protesto, naturalmente, contribuiu para o distanciamento.

O vice

O vice-prefeito Ricardo Fabris de Abreu não ficou entre os manifestantes. Embora seja conhecida sua aproximação com a oposição, disse que não estava prestando apoio ao ato. Fez fotos do alto da escadaria, dentro da prefeitura.

— Entendo que as matérias tratadas são importantes. Mas não há como apoiar institucionalmente um protesto contra o governo que eu integro, por pior que seja a minha relação pessoal com o prefeito.Para ele, os pronunciamentos foram significativos.

O líder

O vereador Chico Guerra (PRB), irmão do prefeito e líder do governo na Câmara, acompanhou parte da manifestação das escadarias do Centro Administrativo. Ele negou que estivesse no local a pedido do chefe do Executivo e classificou a manifestação como política.

— Acredito que os vereadores montaram isso para tumultuar e mostrar força. Pelo que vi, o povo não comprou a ideia contra o prefeito e de bater no governo. Tudo o que tem aqui (as reivindicações) já foi explicado. Todas as informações estão bem claras no site da prefeitura — disse Chico.

Aí é que está. As pessoas não querem conversar com o site da prefeitura.

 (Com André Tajes)

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros