Michel Temer fica. Quanto tempo? - Política - Pioneiro

Mirante19/05/2017 | 08h15Atualizada em 19/05/2017 | 09h02

Michel Temer fica. Quanto tempo?

Presidente tem governabilidade ameaçada, somada à sua natural impopularidade. Vice-líder do governo na Câmara garante que pedidos de impeachment serão todos rejeitados

Michel Temer fica. Quanto tempo? Valter Campanato/Agencia Brasil
"Não renunciarei, repito, não renunciarei", afirmou Temer na tarde desta quinta-feira Foto: Valter Campanato / Agencia Brasil

O presidente Michel Temer (PMDB) anunciou que não renuncia. E segue o tremor no país, depois da delação dos proprietários do frigorífico JBS. Com a governabilidade ameaçada, protestos, pedidos de impeachment ou renúncia e a movimentação por novas eleições, é difícil que o impopular presidente se mantenha no cargo.

Se renunciar, perde o foro privilegiado. Temer pretende reverter o desgaste. Mas são muito sérias as consequências imediatas diante desse abalo político, com reflexos na debilitada economia.

Leia Mais: 
"Que renuncie e não 'desrenuncie'", diz prefeito de Caxias do Sul sobre Temer
ÁUDIO: ouça a íntegra da gravação do diálogo de Temer e dono da JBS
"Não renunciarei", afirma Temer em pronunciamento
Fachin autoriza abertura de inquérito contra Michel Temer
Câmara de Caxias rejeita parecer pelo acolhimento de representação contra vereador Rafael Bueno

Em meio aos sobressaltos, com o STF autorizando a abertura de inquérito, aliados começam a preparar o abandono do barco. Vale citar a declaração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Nas redes sociais, ele escreveu: "Se as alegações de defesa não forem convincentes, e não basta argumentar, são necessárias evidências, os implicados terão o dever moral de facilitar a solução, ainda que com gestos de renúncia".

Quanto aos pedidos de impeachment, o vice-líder do governo na Câmara, Darcísio Perondi (PMDB), se apressou em enterrar as expectativas, dizendo que serão todos rejeitados. Ocorre que se for comprovado o consentimento para pagar o ex-presidente Eduardo Cunha (PMDB), em troca de seu silêncio, não haverá escapatória.

— Não renunciarei, repito, não renunciarei! Sei o que fiz e sei da correção dos meus atos — defendeu-se o presidente.

E Aécio Neves (PSDB)?

Depois das prisões da irmã e do primo e do afastamento dele do mandato no Senado e da presidência do partido, acabou a carreira política do segundo colocado na disputa presidencial.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comIrmãos se reencontram em Caxias do Sul depois de 43 anos https://t.co/ThiMEwrMLe #pioneirohá 1 horaRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comConflito permanente e desgastante na prefeitura de Caxias do Sul https://t.co/WjoIExV8wF #pioneirohá 2 horas Retweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros