Vereadora de Caxias critica punição branda à fraude no cartão ponto do Samu - Política - Pioneiro

Mirante23/11/2016 | 09h07Atualizada em 23/11/2016 | 14h09

Vereadora de Caxias critica punição branda à fraude no cartão ponto do Samu

Ana Corso disse que em outros municípios, funcionários que cometem crime contra o erário público são afastados

Vereadora de Caxias critica punição branda à fraude no cartão ponto do Samu Rodrigo Rossi/Divulgação
Ana Corso diz que há uma inversão de valores e de ética no poder público  Foto: Rodrigo Rossi / Divulgação

Duas semanas após a divulgação do resultado do inquérito administrativo realizado pela prefeitura para apurar denúncia envolvendo dois médicos do Samu, tendo sido confirmada fraude no cartão ponto, o assunto foi abordado na Câmara de Vereadores.

A vereadora Ana Corso (PT) lamentou a punição, que prevê apenas suspensão por 30 dias e devolução de cerca de R$ 160 mil cada um, e o fato de a Secretaria da Saúde ter decidido que os 30 dias serão trabalhados, sendo 15 sem remuneração. Já os R$ 160 mil serão descontados em folha, não ultrapassando 35% de seus vencimentos.

Leia mais
Corede Serra escolhe projetos prioritários para a região até 2030
Conquista histórica, mesmo com desgaste dos políticos
Primeiro vereador negro de Caxias do Sul foi eleito somente em 2005


— Vendo em outros municípios casos similares, profissionais que cometem esse tipo de crime contra o erário público são imediatamente afastados. Aqui em Caxias do Sul, com o mesmo delito cometido pelos médicos, não acontece nada — frisou a vereadora.

Ela citou situações em que houve bloqueio de bens para ressarcir e de uma médica que foi presa.

Ana disse que os servidores da Saúde estão revoltados porque os dois médicos permanecem com seus FGs (função gratificada).

A vereadora afirmou que os profissionais que tiveram a coragem de denunciar são perseguidos pela administração.

— O que está acontecendo é uma inversão de valores e de ética no serviço público.

A investigação apurou fraudes no cartão ponto para obter vantagens salariais, com marcação de hora extra não realizada, bem como adicional noturno no período de 2012 a 2014. O resultado do inquérito foi informado ao Ministério Público, que ainda não se manifestou.


 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros