Projeto que autoriza doação de sobras de comida em Caxias do Sul está prestes a virar lei - Política - Pioneiro

Alimentação29/11/2016 | 08h26Atualizada em 29/11/2016 | 14h41

Projeto que autoriza doação de sobras de comida em Caxias do Sul está prestes a virar lei

Proposta, aprovada pela Câmara e Vereadores na semana passada, regulamenta o programa Banco de Refeições Coletivas/Prato Solidário

Projeto que autoriza doação de sobras de comida em Caxias do Sul está prestes a virar lei Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Crianças e adolescentes do Jardelino Ramos são beneficiados pelo projeto Prato Solidário Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A destinação de alimentos excedentes para entidades assistenciais de Caxias do Sul está prestes a se tornar lei. O projeto de autoria do Executivo que autoriza a doação por empresas, indústrias, cozinhas industriais, restaurantes comerciais, padarias e supermercados foi aprovado na semana passada pela Câmara de Vereadores e aguarda sanção do prefeito Alceu Barbosa Velho (PDT). 

A proposta regulamenta o Banco de Refeições Coletivas/Prato Solidário, que já serve 550 refeições diariamente a instituições carentes ou a pessoas em vulnerabilidade social. A iniciativa do Banco de Alimentos surgiu em 2013 e beneficia, atualmente, nove entidades. São seis empresas que hoje participam como fornecedoras. Amparado pela legislação, a expectativa é de que o programa da administração municipal ganhe mais adesões. 

Leia mais
Estreante na Câmara de Caxias do Sul, Alceu Thomé quer focar na agricultura e segurança
Daniel Guerra descontrai no festival de blues na reta final das definições para comandar a prefeitura
Expectativa em torno do secretariado de Daniel Guerra
Como o pacote de Sartori pode atingir Caxias do Sul e região

Conforme o coordenador do Banco de Alimentos, Assis Ferreira Borges, a Agrale é uma das empresas interessadas que aguarda a sanção da lei para juntar-se ao time de doadores. Mas o boom esperado, segundo Assis, é para fevereiro, quando as empresas retornam de férias. A estimativa é de dobrar o número de refeições servidas por dia ao longo do ano que vem e atender além das 97 entidades cadastradas no Banco.

Assis também espera que, com a regulamentação do projeto, os restaurantes comerciais passem a integrar o programa, já que hoje nenhum participa. 

— São dois objetivos: aproveitamento do excedente das empresas pra auxiliar quem tem fome e o cuidado com o meio ambiente, porque toda vez que a gente está produzindo alimento, a gente está tirando alimento da terra. E aquele alimento que não é consumido tem que ser jogado fora — acrescenta Assis. 

Embora não exista legislação que proíba, a doação de alimentos que sobram nos restaurantes é quase nula no país. Isso porque a legislação prevê punir criminalmente o doador caso o alimento que ele tenha repassado cause algum tipo de intoxicação a quem o recebeu.

Crianças e adolescentes do Jardelino Ramos são beneficiados pelo projeto Prato Solidário Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Comida de qualidade 

As sobras de comida dos almoços e o lixo como destino delas incomodavam Euclides Sirena, proprietário do restaurante Sica. Com tanta gente passando fome, não achava justo que o restante fosse jogado fora. Por isso, resolveu, em 2013, doar o excedente. A iniciativa do vice-presidente da Fundação Caxias acabou dando início ao programa que agora está sendo regulamentado. 

Há três anos, Sirena destina as sobras do Sica para o Centro Educativo José Luiz de Medeiros Ramos, junto ao Centro Cultural Espírita Jardelino Ramos. Assim, ele deixa de colocar no lixo cerca de 20 kg de comida boa por dia. 

— Sempre se faz 10% a mais, para possíveis eventualidades. A comida é saudável, feita para os colaboradores, tem todas as propriedades nutricionais, todo o cuidado, um preparo adequado — destaca. 

São 45 refeições servidas diariamente para as crianças do bairro Jardelino Ramos e entorno. Para algumas delas, é a única do dia. 

— Só quem está na ponta sabe a importância desse projeto. É comida de qualidade. Às vezes, chegam comidas diferentes, como risoto de camarão, por exemplo, que eles não teriam oportunidade de provar — comenta a coordenadora do centro educativo, Paula Elisa Werpp. 

Desde 2013, o programa Prato Solidário já serviu 238 mil refeições. Para aderir ao programa, os interessados devem entrar em contato com o Banco de Alimentos pelo telefone 3211.5943. 

Restaurante Sica deixa de colocar no lixo cerca de 20 quilos de comida boa por dia Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

O que diz o projeto
:: A proposta, que aguarda sanção do prefeito, permite que ao município de Caxias do Sul, para fins de doação, a reutilização de sobras alimentares. É proibido o fornecimento de sobras que já tenham sido servidas. 

Quem pode doar
:: empresas produtoras de alimentos
:: indústrias alimentícias
:: cozinhas industriais
:: restaurantes comerciais
:: padarias
:: supermercados
:: comércio geral de alimentos

Empresas que já participam
:: Detella Restaurantes Empresariais, Nutriflach, Padaria Rio Branco, Prato Feito, Sapore e Sica Gastronomia. A empresa terceirizada Personalitty Transportes realiza o transporte dos alimentos. Outras 12 empresas participam como mantenedoras: Agrale, Detella Restaurantes Empresariais, Eberle Mundial, Fras-Le, Marcopolo, Matripolo, Padaria Rio Branco, Perfiline Componentes Metálicos, Randon, Roadline, Sica Gastronomia e Suspensys.

Entidades atualmente beneficiadas
:: Associação se Recicladores Carroceiros do Aeroporto (Arca), Associação de Recicladores Monte Carmelo, Centro Assistencial e de Promoção Social Joana D'arc, Centro Cultural Espírita Jardelino Ramos, Centro de Atenção à Criança e ao Adolescente Murialdo Santa Fé, Centro de Atividades Múltiplas e Integradas (Cami) São José, Centro de Cuidados Nossa Senhora Da Paz/Associação Educacional São Carlos (AESC), Moradores de rua atendidos no Restaurante Comunitário e Santo Antônio Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos/Associação Mão Amiga.

#SemDesperdício

Entre os grupos de alimentos mais desperdiçados na América Latina estão as frutas e hortaliças: 55%. Reduzir o desperdício e as perdas até 2030, não só nos países latinos, mas em todo o mundo, é um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável aprovados pelas Nações Unidas em 2015. Por isso, o WWF-Brasil, a Embrapa e a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) lançaram a campanha #SemDesperdício. Foi criado o desafio Uma Mania a Menos, com dicas de como reduzir a quantidade de alimentos jogados no lixo e ajudar a ter um mundo com menos desperdício dentro e fora de casa. Para participar, acesse o site da campanha clicando aqui.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros