PDT de Caxias do Sul ainda processa derrota do dia 30 de outubro - Política - Pioneiro

Depois da eleição11/11/2016 | 09h05Atualizada em 11/11/2016 | 09h05

PDT de Caxias do Sul ainda processa derrota do dia 30 de outubro

Reunião na segunda-feira passada foi cancelada para que filiados possam refletir mais sobre o resultado 

PDT de Caxias do Sul ainda processa derrota do dia 30 de outubro Felipe Nyland/Agencia RBS
Néspolo e Feldmann após o resultado da eleição Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Passadas quase duas semanas da eleição que deu a Daniel Guerra (PRB) a vitória em Caxias do Sul, o PDT ainda processa a derrota. De maneira até exagerada, é possível dizer que o partido está ainda elaborando o luto. A reunião de novembro, que ocorreria na última segunda-feira, foi cancelada para que os filiados possam refletir melhor sobre o resultado. Um encontro de avaliação do pleito deve ocorrer até o final do mês.

— Há necessidade de um certo tempo para que haja um distanciamento dos fatos e a gente possa fazer uma avaliação mais racional, sem que a emoção feche os olhos. Sempre há quem fique mais abalado e, na verdade, a gente precisa de calma, ver as causas, as consequências, o que vai se fazer. Quando você está num grupo, às vezes, tem membros que são mais emotivos e aí fazem declarações muito quentes, e isso não leva a nada — defende o presidente interino do PDT, Agenor Basso.

Leia mais
Vereadores prometem oposição responsável ao governo do prefeito eleito de Caxias do Sul, Daniel Guerra
Frei Jaime coordena a transição na FAS, na equipe do prefeito eleito
Após derrota nas urnas, PMDB de Caxias do Sul tenta a reconciliação

O período prolongado de silêncio também respeita as ¿férias¿ de Edson Néspolo, candidato do partido à prefeitura. Ele tirou alguns dias de descanso, após pouco mais de dois meses de campanha, e deve retornar após o feriadão, diz o deputado estadual Vinicius Ribeiro.Vinicius, aliás, que foi coordenador da campanha de Néspolo, revela que tem avaliações que fará internamente. Ele não quer tornar pública suas impressões, mas garante que o resultado desfavorável ao PDT não tem culpados. 

— Acredito que o Néspolo e o Toninho (Antonio Feldmann) foram incansáveis nessa campanha, a culpa não tem nenhuma nomenclatura, não se deve a nomes. Houve um esforço coletivo muito grande, mas parte desse esforço não foi efetivo. Eu quero propor ao partido que renove os seus pensamentos, que esteja aberto para ouvir o cidadão. Nós precisamos ter muita sabedoria para ouvir a população, humildade para aceitar (as sugestões) e força para colocar essas ideias em prática — acrescenta.

Para o deputado, fazer projeções e pensar a próxima eleição é ainda muito prematuro. O líder da bancada pedetista na Câmara, Pedro Incerti, pensa da mesma forma. Falar sobre a eleição de 2020 ainda é muito cedo. No entanto, ele acredita que o PDT precisa estar pronto para uma eventual disputa.

— O partido tem bons nomes e tem que ser preparar — diz.

A reportagem tentou conversar com o prefeito Alceu Barbosa Velho (PDT) sobre o assunto. Perguntas foram enviadas e a assessoria de imprensa da prefeitura disse que elas serão respondidas na próxima semana.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros