Moro e advogados de Lula discutem durante depoimento de Delcídio - Política - Pioneiro

Operação Lava-Jato21/11/2016 | 23h29Atualizada em 21/11/2016 | 23h30

Moro e advogados de Lula discutem durante depoimento de Delcídio

A defesa do ex-presidente contestou relevância de perguntas dos promotores. Juiz questiona questão de ordem "a cada dois minutos"

Agência Brasil
Agência Brasil

O juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e promotores do Ministério Público Federal foram personagens de uma audiência acalorada na tarde desta segunda-feira. A sessão do dia tratava do interrogatório de testemunhas de acusação na ação penal em que Lula é réu no âmbito da Operação Lava-Jato.

As discussões aconteceram durante o depoimento do ex-senador Delcídio Amaral, a primeira testemunha a ser ouvida. Os advogados do petista contestaram por diversas vezes a relevância de perguntas que eram formuladas pelos promotores que, segundo eles, fugiam do escopo do processo. A defesa também alegou que o depoente estava respondendo com base em suposições e não em fatos objetivos.

— A defesa, pelo jeito, vai ficar levantando questão de ordem a cada dois minutos? É inapropriado — disse Moro à defesa de Lula. Um dos advogados respondeu:

— Pode ser inapropriado, mas é perfeitamente jurídico e legal. O juiz não é o dono do processo.

Leia mais:

Alvo da Lava-Jato, operador de offshores da Odebrecht é preso na Espanha

Advogados de Lula entram com ação contra Moro por abuso de autoridade

Há potencial de ressarcimento de mais de R$ 5,5 bi, diz presidente da Petrobras

Mesmo com os protestos, o magistrado indeferiu novamente o pedido da defesa, afirmando que as perguntas dos promotores buscavam contextualizar os fatos. Os advogados insistiram na discussão e Moro interrompeu a gravação da audiência para que a divergência fosse controlada.

Questionado pelo Ministério Público Federal, Delcídio disse que Lula sabia do esquema de corrupção na Petrobras.

— A classe política e a torcida do Flamengo inteira sabia disso daí. Portanto, é uma coisa até surreal esse tipo de afirmação (de que o ex-presidente não sabia) — afirmou.

O ex-senador alegou, no entanto, que jamais conversou sobre o assunto com o petista:

— Eu não tinha essa relação próxima com o presidente para ter esse tipo de diálogo com ele.

A defesa de Lula, então, questionou a falta de provas de Delcídio para fazer tais afirmações. O depoente respondeu:

— Não tenho planilha. Tenho os fatos de alguém que foi líder do governo, que participava ativamente do dia a dia do Congresso e que conversava não só com a maioria dos partidos, mas com os diretores. Se não me contassem as conversas do Palácio do Planalto, eu sabia por outras vias sempre.

Os advogados insistiram na falta de provas, mas Moro interveio para que o interrogatório tivesse sequência.

Também foram ouvidos nesta segunda-feira os empreiteiros Augusto Mendonça, Dalton Avancini e Eduardo Hermelino. Novas audiências com testemunhas de acusação estão marcadas para a quarta-feira e a sexta-feira.

Além do ex-presidente, são réus desta ação penal a esposa dele Marisa Letícia, o presidente do Instituto Lula Paulo Okamotto, e mais cinco pessoas. Lula e Marisa foram dispensados por Moro de comparecer às audiências, bastando apenas a presença dos advogados.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros