O perfil de Francisco Corrêa, candidato a prefeito de Caxias do Sul pelo PSOL  - Política - Pioneiro

Eleições 201601/10/2016 | 05h14Atualizada em 01/10/2016 | 05h14

O perfil de Francisco Corrêa, candidato a prefeito de Caxias do Sul pelo PSOL 

Conheça um pouco sobre a vida do prefeiturável

O perfil de Francisco Corrêa, candidato a prefeito de Caxias do Sul pelo PSOL  Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Francisco Corrêa escolheu ser fotografado na Casa de Pedra Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

O candidato a prefeito pelo PSOL, Francisco Carlos Oleiro Corrêa, 60 anos, tem como a decisão mais importante de sua vida a mudança de Pelotas para a Serra. Ele queria trabalhar com educação popular, com a população mais vulnerável, e encontrou na Fundação de Assistência Social (FAS) a oportunidade que classifica como ¿aprendizado de vida¿.

– Essa decisão mudou muito na minha vida. A gente que tem uma condição mediana não imagina o que existe de miséria e as dificuldades que as pessoas têm para acessar políticas públicas de qualidade. As pessoas evoluem da miséria material para a moral – opina.

Leia mais
Candidatos respondem por que querem ser prefeito de Caxias do Sul
Tudo o que você precisa saber sobre as eleições de domingo
Confira o que abre e o que fecha neste domingo de eleições na Serra 


Corrêa chegou a Caxias em 1997, após ser aprovado em concurso público para educador social na FAS e trabalhar mais próximo de sua área, coincidentemente, na primeira administração do prefeito Pepe Vargas.

– Prestei o concurso e fui aprovado. Nunca precisei pedir oportunidade de trabalho. As que tive, conquistei. Cheguei em um momento em que a FAS estava começando e tive uma acolhida muito boa – revela.

Na fundação, o candidato coordenou o grupo de abordagem da população de rua no Centro Educativo do Vila Ipê, no Albergue Municipal, no Centro de Referência de Assistência Social (Cras) do Reolon, no Centro Pop Rua e ainda trabalhou com medidas socioeducativas, até se aposentar, em janeiro de 2014.

A superação e a resiliência (capacidade de resistência e adaptação) das pessoas em vulnerabilidade social e jogadas à miséria deixam Corrêa emocionado:

– Essas pessoas têm uma capacidade de superação e de se sobrepor a uma situação em que talvez muitos fraquejassem. Testemunhei isso várias vezes.

Corrêa aguarda o resultado da eleição, mas seja qual for o desfecho, pretende retomar as atividades físicas rotineiras, como corridas de rua e exercícios na academia.

– Pratico corrida de rua desde os 26 anos. Já participei de duas corridas São Silvestre. Pretendo retomar o cuidado com a saúde. Gosto de leitura, de futebol, de teatro e cinema – lista este caxiense adotivo, de perfil sereno e de fala tranquila.

A vida em Pelotas

Filho de Francisco e Colomi Corrêa, ambos falecidos, o candidato do PSOL tem um irmão mais novo que mora em Pelotas, sua cidade natal. O pai era comerciário e a mãe administrava a casa. A principal lembrança da infância era o ensaio para o desfile da Semana da Pátria.

– A gente treinava em uma rua de chão batido e levantava uma poeira. Chegava em casa com muito pó nos sapatos e na roupa – descreve.

Na adolescência, o candidato se recorda dos grupos de amigos e das festas de garagem nas casas das famílias.

Apesar da infância pobre, a educação era prioridade para os Corrêa: Francisco estudou nas séries iniciais na Escola Municipal Afonso Vizeu e depois mudou para a Escola Dom João Braga, no bairro Areal.

– Na época, a escola tinha uma boa qualidade de ensino e não precisava fazer cursinho. Fiz vestibular e fui aprovado em Psicologia na Universidade Católica de Pelotas (UCPel). Depois, fiz a reopção da Psicologia clínica para a licenciatura e conclui a faculdade.

Francisco chegou a frequentar a metade do curso de Direito na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), mas desistiu em função do envolvimento político e sindical, que começou no início dos anos 1980. Com a ascensão do PT e a alternativa para mudança na época, Francisco filiou-se ao partido. Deixou a sigla com a expulsão da ex-deputada Luciana Genro e se dedicou à fundação do PSOL no Estado.

Atualmente separado, Francisco Corrêa é pai do sociólogo Bernardo Alves Corrêa, 34, que mora em Porto Alegre, e de Gustavo Alves Corrêa, 29, formado em Educação Física e preparador físico das categorias de base do Juventude. O candidato do PSOL também é avô de Martina, de três anos.

– Hoje, meus filhos são dois grandes amigos e incentivadores desse caminho e compromisso que assumi. Me sinto muito feliz porque os dois escolheram seus caminhos e são muito determinados nisso. Tenho muita alegria pelo sucesso deles e por ter, junto com a mãe deles, contribuído para isso – destaca Corrêa.

Trajetória de Francisco
Servidor da Escola Técnica Federal de Pelotas e servidor da Fundação de Assistência Social (FAS) em Caxias do Sul.

Corrêa revela
Música: Linda (Caetano Veloso).
Livro: Não apresse o rio, ele corre sozinho (Barry Stevens).
Comida: churrasco.
Perfume: Mont Blanc.
Time de futebol: Juventude.
Religião: nenhuma.
Lugar em Caxias: Casa de Cultura Henrique Ordovás.
Lugar no mundo: Paris.
Mania: nenhuma, mania é doença.
Superstição: não sou supersticioso.
Qualidade: honestidade.
Defeito: perfeccionismo.
Filme: Outono em Nova York.
Legalização do aborto: a favor enquanto política pública.
Liberação da maconha: favorável.
Casamento homoafetiva: a favor.
Um sonho: uma sociedade fraterna.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comJuventude Futsal vai disputar a Liga Nacional de 2017 https://t.co/95xyGkxJGH #pioneirohá 10 horas Retweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comFicar apenas no aeroporto revela falta de sensibilidade de Michel Temer https://t.co/nc5yEaSGn3 #pioneirohá 10 horas Retweet

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros