Em busca de uma Caxias do Sul saudável - Política - Pioneiro

Versão mobile

 
 

A Cidade que Queremos14/09/2016 | 07h01Atualizada em 14/09/2016 | 13h49

Em busca de uma Caxias do Sul saudável

Andrea Basso mora no interior, planta o próprio alimento e sonha com um mundo sustentável

Em um sítio no interior de Forqueta, Andrea planta frutas e verduras Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Andrea Basso, 52 anos, se apresenta como médica e agricultora. De orgânicos, é bom frisar. Com mais cinco minutos de conversa, já é possível afirmar, sem dúvida: Andrea é mais, é uma ativista ambiental. Há cerca de 20 anos, ela passou a morar em um sítio no interior de Forqueta, em Caxias do Sul. Não deixou a Medicina, mas passou a conciliar a profissão com a agricultura. Natural de Bento Gonçalves, ela sentia a necessidade de morar fora do centro urbano e produzir seu próprio alimento. Foi assim que surgiu o Caminhos da Floresta. 

— Sou neta de agricultores e meu marido é agricultor desde sempre. Nós temos uma ligação muito forte com a terra. Não consigo me imaginar só com o trabalho na cidade e o fato de produzirmos nosso próprio alimento nos deixa muito felizes — conta Andrea, casada com o músico Marco Gottinari. 

Leia mais
Especialistas apontam problemas e soluções para o meio ambiente em Caxias
"Questão ambiental nem sempre está presente no debate eleitoral", diz especialista do WWF-Brasil

A proposta inicial era de uma produção para consumo próprio, mas como a natureza é abundante, Andrea teve de pensar em um destino ao excedente. A solução foi comercializar os produtos na Feira Ecológica e trocar por alimentos que ela não produz, o famoso escambo. Além de verduras, o casal planta pêssego, laranja e bergamota. No sítio, também funciona uma agroindústria, onde uma amiga produz hambúrgueres veganos. 

Com o marido Marco, Andrea vende o excedente da plantação na Feira Ecológica de Caxias do Sul Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A dupla jornada de trabalho já chegou a provocar conflitos em Andrea. Não pelo cansaço ou por querer deixar um dos ofícios — ela garante que ama tanto trabalhar como médica quanto como agricultora. Mas por ver tantas pessoas doentes em hospitais, provavelmente por uma má alimentação. 

Leia também
As sugestões para o desenvolvimento econômico e o combate ao crescimento desordenado de Caxias do Sul
Cidades devem ser conectadas, contínuas e coordenadas, diz diretora de Desenvolvimento Urbano da ONG Brasil Cidades Sustentáveis
Caxias deve seguir as tendências mundiais, diz coordenador do TecnoUCS

O uso de agrotóxicos na agricultura, a exploração da terra, o descaso com a água e a destinação errada do lixo também preocupam e entristecem Andrea. Mas nem por isso ela deixa de acreditar. 

_ A gente não desiste. Tem um amigo que diz que nós somos "ecobiodesagradáveis", porque a gente é muito chato, fica insistindo o tempo todo, tem que melhorar as coisas na cidade, tem que melhorar as coisas na roça, então, a gente incomoda muito. Mas incomodar faz parte da nossa tentativa de que as pessoas um dia acordem e vejam que é possível um outro mundo, mas não do jeito que está. É muita gente doente, é tudo destruído, não tem como viver assim. A gente está se autodestruindo — finaliza.

>> SIGA NA MATÉRIA Especialistas apontam problemas e soluções para o meio ambiente em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros