Vereador reassume mandato  com liminar em Bento Gonçalves - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante13/10/2020 | 20h28Atualizada em 13/10/2020 | 20h44

Vereador reassume mandato  com liminar em Bento Gonçalves

Moacir Camerini (PSB) é candidato a prefeito

Vereador reassume mandato  com liminar em Bento Gonçalves Câmara de Vereadores/Divulgação
"Deu altos debates", disse Moacir Camerini em seu retorno Foto: Câmara de Vereadores / Divulgação

Por liminar da juíza da 3ª Vara Cível da Comarca de Bento Gonçalves, o vereador Moacir Camerini (PSB) e pré-candidato a prefeito de Bento Gonçalves reassumiu o mandato na sessão desta terça-feira (13). Assim, cessou automaticamente o exercício do vereador suplente José Antônio Gava (PDT). 

Leia mais
"Justiça foi feita", afirma vereador de Bento após suspensão de cassação

Camerini havia sido cassado em 20 de dezembro de 2019 pelo Legislativo e obteve a suspensão da perda do mandato, em decisão liminar, conforme despacho da juíza Romani Terezinha Bortolas Dalcin na quinta-feira passada.

Camerini disse que já deu "altos debates" em sua volta à Casa. Ele solicitou, por exemplo, o motivo do requerimento de licença não-remunerada por 34 dias encaminhado pelo vereador Amarildo Lucatelli (PP), que foi apreciado na sessão. Lucatteli, então, explicou que é candidato a vice-prefeito e que não acha justo, em função dos vários compromissos de campanha, receber o salário da Câmara de Vereadores. Ele concorre na chapa com Diogo Siqueira (PSDB).

Camerini disse que era estranho Lucatelli se afastar agora que ele estava retornando.

– É para trazer o suplente Anderson Zanella (PP), é tudo articulado. Só querem tumulto – disse Camerini.

Zanella foi quem entrou com o pedido de impugnação da candidatura a prefeito de Camerini em função da cassação.

Na sessão, Camerini ainda fez críticas ao Governo Guilherme Pasin (PP).

Apoiadores do vereador estavam em plenário. 

– Estou bem animado com a recepção da população – disse.

Ele foi cassado por 12 votos a três, com base no relatório da CPI das Fake News, que apontou que ele utilizou estrutura física e funcional da Câmara para a criação e a manutenção de perfis falsos nas redes sociais. A juíza entendeu que foi cerceado o seu direito de defesa.

Leia também
Apoio e atuação política, veja o que mostrou o horário eleitoral em Caxias do Sul

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros