Prorrogação de concessão do transporte coletivo em Caxias provoca reação na Câmara - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante05/05/2020 | 17h09Atualizada em 05/05/2020 | 17h09

Prorrogação de concessão do transporte coletivo em Caxias provoca reação na Câmara

Votação foi adiada para quinta-feira

Prorrogação de concessão do transporte coletivo em Caxias provoca reação na Câmara Gabriela Bento Alves/Divulgação
Foto: Gabriela Bento Alves / Divulgação

O projeto da prefeitura de Caxias do Sul para prorrogar por 12 meses o contrato de concessão do transporte coletivo público urbano, até que seja lançado o novo edital para o contrato, não foi bem digerido por alguns vereadores. Tanto que o secretário municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade, Alfonso Willenbring Júnior, a chefe de Gabinete e secretária de Governo, Grégora Fortuna dos Passos, e a procuradora municipal Zélia Renata Grando Hermann estiveram na Câmara de Vereadores após a sessão desta terça-feira (5) dando explicações.

Eles foram chamados pelo líder de governo, Velocino Uez (PTB). A votação em sessões extraordinárias inicialmente prevista para esta quarta-feira (6) foi adiada para quinta (7).

Leia mais
Prefeitura de Caxias pede prorrogação da concessão do transporte coletivo urbano

A demora para o envio do projeto, ocorrido apenas na última segunda-feira (4), considerando que a concessão da Visate se encerra no próximo dia 12 de maio, e a pressa para a votação, deixou uma sensação de que algo não está bem esclarecido.

Quem levantou o assunto foi o vereador Rafael Bueno (PDT), que  solicitou que a votação do projeto que prorroga a concessão ficasse para quinta.

_ Não é possível analisar a matéria em apenas um dia. Não podemos dar um cheque em branco do dia para a noite e que vai impactar na vida de muitas pessoas _ disse, defendendo a necessidade de maior prazo para análise.

_ A grande maioria dos vereadores não leu esse projeto _ insistiu.

O vereador Kiko Girardi (PSD) concordou.

_ Diz aí, até doze meses. Se a gente votar, poderá ir até um ano. O Executivo tirou (suspendeu) em janeiro esse edital (feito pelo governo anterior). Não é agora que vou votar de um dia para o outro _ afirmou Kiko.

Alberto Meneguzzi (PSB) fez coro, disse que desde o início do ano o edital foi cancelado e agora vem a ameaça: "Ou vocês votam de forma favorável ou estamos sem transporte coletivo".

_ Me sinto num brete. Vou ter que votar favorável, porque se não votar favorável, não tem transporte coletivo e a responsabilidade é nossa. [...] Estamos sendo ameaçados aqui com isso.

Os principais defensores do governo de Flávio Cassina (PTB) e Elói Frizzo (PSB) até tentaram amenizar o encaminhamento atropelado e a necessidade de urgência para aprovar.

Tudo isso leva à conclusão de que a intenção do governo é tentar impedir uma reação popular em ano eleitoral. O tema transporte coletivo é um dos mais polêmicos na cidade. Assim, a prorrogação passa rapidinho e sem tempo para barulho.

Mas quem garante que o eleitor vai engolir?

Emenda tenta reduzir prazo

Os vereadores Kiko Girardi (PSD), Rafael Bueno (PDT) e Denise Pessôa (PT) protocolaram emenda modificativa para reduzir o prazo de prorrogação de 12 meses para seis meses. A emenda será apreciada pelo plenário também nesta quinta-feira.

Eles entendem que o prazo de seis meses é mais do que suficiente para que se possa regularizar a situação com novo edital de concessão do transporte coletivo.

 Governo corre para explicar

Em sua ida à Câmara, a secretária Grégora garantiu que a intenção é a prefeitura assinar uma prorrogação de seis meses com a Visate. Porém, os 12 meses são para o Executivo se resguardar de possíveis entraves que protelem o andamento da licitação, como recursos de candidatos, pedidos de impugnação.

Leia também
Médicos caxienses vão para Manaus ajudar pacientes com coronavírus


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros