Clima insustentável cerca deputado de Caxias do Sul no Solidariedade - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante21/05/2020 | 09h46Atualizada em 21/05/2020 | 09h46

Clima insustentável cerca deputado de Caxias do Sul no Solidariedade

"O Solidariedade está se autodestruindo no Estado", escreveu Neri, O Carteiro

Clima insustentável cerca deputado de Caxias do Sul no Solidariedade Ana Cristina da Silva/Divulgação
Foto: Ana Cristina da Silva / Divulgação

O deputado estadual Neri, O Carteiro fez uma longa manifestação em suas redes sociais, na terça-feira (19), para responder à nota de seu partido, o Solidariedade, em âmbito estadual, que cogita fazer intervenção na comissão provisória em Caxias do Sul e até entrar na Justiça para pedir o mandato. Segundo ele, não existe a menor possibilidade de perder o mandato. O clima no Solidariedade é insustentável. O deputado afirma que está sendo atacado porque querem escolher quem ele deve colocar para trabalhar em seu gabinete.

"Escolhemos pessoas competentes para trabalhar conosco, levando em conta a vontade de fazer o bem, e não somente o partido a que estão filiadas. A maioria dos servidores do gabinete é do Solidariedade, são pessoas que nos acompanharam ao longo da campanha, mas outras, foram se agregando à equipe também pela competência e por princípios semelhantes aos nossos. Se eu fui eleito pelo povo, é ao povo que devo responder. Se não tiver a possibilidade de escolher quem vai trabalhar comigo, então prefiro abandonar a política", declara.

Sobre não votar conforme determinação do partido, afirma que não vota a cabresto e nunca houve qualquer fechamento de questão de ordem que o obrigasse a votar em uma determinada posição. Ele fala da valorização dada ao Solidariedade e menciona a votação do presidente do partido no RS, Claudio Janta, em Caxias, na disputa a deputado federal: “Mais de 2,4 mil votos, mesmo sendo um nome pouco conhecido na cidade”. Ainda ressalta o esvaziamento da sigla no Estado, com a redução do número de vereadores de 31 para seis. "O Solidariedade está se autodestruindo no Estado", diz. Neri reafirma o apoio às pré-candidaturas de Adiló Didomenico e Paula Ioris, ambos do PSDB, na disputa à prefeitura. E finaliza:

"Nós respeitamos os quase 28 mil votos que nos levaram a esse mandato estadual. E continuaremos fazendo isso. Não acreditem em nada que seja dito em contrário".

:: Em 2013, quando deixou o DEM, partido pelo qual havia sido eleito para seu primeiro mandato de vereador, os cargos na Câmara de Caxias foram o pivô do desentendimento. A executiva municipal provisória do DEM queria que Neri entregasse os cargos de assessor e auxiliar da bancada por entender que pertenciam ao partido. Neri não abriu mão das nomeações. Ele só poderá se desfiliar do SD, sem risco de perder o mandato, em 2022.

"Estranheza e perplexidade"

Embora o presidente do partido de Neri em Caxias e coordenador de bancada na Assembleia, Márcio Amaral, tenha sido ouvido pela coluna quando foi divulgada a posição do Solidariedade-RS, ele enviou nota de esclarecimento. O texto diz que causa "absoluta estranheza e perplexidade." 

"O que se vê são tentativas persecutórias contra membros do partido por parte do órgão estadual, que não admite o mínimo de autonomia às direções municipais e a seus representantes eleitos, sequer para discutir seus assuntos internos ou controlar seu gabinete", consta na nota.

Filiados e cargos

Na nota do SD de Caxias, novamente é abordada a saída de filiados para ingressarem no PSDB, reafirmando que foi por vontade exclusiva deles por já estar completa a nominata no SD. Sobre o apoio a pré-candidato do PSDB à prefeitura, afirma que foi debatido com os filiados em reunião específica e aprovado por ampla maioria, mas ressalta que só ocorrerá de forma definitiva em convenção.

Quanto à reação pela existência de cargo de confiança filiado ao PSDB no gabinete de Neri, a manifestação do SD de Caxias é de que "demonstra a postura de quem coloca os interesses partidários acima dos interesses públicos". E acrescenta: "Ela é paga pelo erário público e não pelo partido".

:: Além da chefe de gabinete de Neri, jornalista Marisol Santos, que deixou o Solidariedade para ingressar no PSDB, o ex-candidato à presidência da União das Associações de Bairros, Itacir Pegoraro, teve o mesmo caminho partidário. Ele tem cargo na bancada do SD na Assembleia. Ambos devem concorrer a vereador.

Leia também
Cloroquina é contestada por médicos no tratamento de pacientes para o coronavírus
Autor de pedido de impeachment do ex-prefeito de Farroupilha diz ter recebido ameaça

Comissão de Saúde da Câmara de Caxias é excluída da visita do governador 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros