As reações de lideranças políticas de Caxias às declarações de Bolsonaro - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante25/03/2020 | 17h00Atualizada em 25/03/2020 | 17h11

As reações de lideranças políticas de Caxias às declarações de Bolsonaro

Confira o que pensam prefeito, deputados e presidente da Câmara de Vereadores sobre pronunciamento referente ao coronavírus

As reações de lideranças políticas de Caxias às declarações de Bolsonaro Isac Nóbrega/Divulgação
Foto: Isac Nóbrega / Divulgação

O pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na noite de terça-feira, causou perplexidade diante da situação mundial envolvendo a covid-19 e as medidas de isolamento recomendadas para evitar o contágio, a proliferação da doença e possíveis mortes. Naturalmente, ele teve também apoios, especialmente em redes sociais e por questões políticas, mas a repercussão de forma expressiva foi negativa.

As declarações de Bolsonaro contra o confinamento criam apreensão. Ele contraria tudo o que vinha sendo defendido pelo seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e choca quando diz:

– O grupo de risco é o das pessoas acima dos 60 anos. Então, por que fechar escolas? Raros são os casos fatais de pessoas sãs com menos de 40 anos de idade.

Ele demonstra minimizar a transmissão e as consequências. É uma posição egoísta. É fato que muitos idosos vivem com filhos e netos, necessitando da moradia e de seus cuidados. O risco de contágio é muito grande.

Leia mais
"Pronunciamento desnecessário e que gera insegurança à população", avaliam infectologistas sobre discurso de Bolsonaro

As principais lideranças políticas de Caxias do Sul demonstraram não concordar com as palavras de Bolsonaro. Algumas são mais cautelosas, evitando deflagrar rachas com o poder central. 

Porém, teve quem foi bem incisivo no revide à postura do presidente. É o caso, lógico, do deputado estadual Pepe Vargas (PT), que disse:

– Chega Bolsonaro, reconheça sua limitada atuação, inteligência e falta de decência.

O deputado estadual Neri, O Carteiro (SD), foi outro que não gostou do que ouviu:

– Torço para que o presidente retome o bom senso e se espelhe em posturas responsáveis – disse ao Mirante.

 – Precisamos manter a quarentena para evitar a propagação dos casos e para ganhar tempo na ampliação dos leitos – defendeu o deputado Carlos Búrigo (MDB).

O prefeito Flávio Cassina (PTB), que em uma transmissão ao vivo na manhã de ontem pediu "Pelo amor de Deus, fiquem em casa", evitou polemizar. E declarou:

– Não nos compete julgá-lo, porque ele tem sob sua responsabilidade mais de 200 milhões de pessoas, a visão global.

Os posicionamentos 

 :: Prefeito Flávio Cassina (PTB): "Não nos compete julgá-lo, porque ele tem sob sua responsabilidade mais de 200 milhões de pessoas, a visão global. Nós, enquanto município, temos de nos ater à nossa realidade e, após, com a nossa circunvizinhança, Estado e Nação. Por ser uma visão localizada, seguimos com as nossas ações de prevenção e combate ao coronavírus intensivamente, com a ajuda da comunidade. E alinhadas com os decretos estaduais. Ações estas que, por vezes, não são as mesmas do poder central. Como empresário, conheço bem o que pode acontecer com a economia, mas a nossa preocupação hoje é salvar vidas."

::  Deputado estadual Neri, O Carteiro (Solidariedade): "Discordo do pronunciamento do presidente Bolsonaro. Não podemos agir de forma irresponsável diante de uma pandemia. Temos exemplos positivos e negativos de outros países e precisamos levar esses aprendizados em conta. Além disso, temos muitos especialistas e estudiosos do tema para nos ajudar. É preciso ouvir quem realmente  entende do assunto. Sabemos que a covid-19 é bem mais que uma gripe e que suas consequências serão devastadoras para a economia estadual, nacional, mundial. Mas, nesse momento, a prioridade tem de ser a vida das pessoas. Não podemos pensar individualmente, mas em todos. Torço para que o presidente retome o bom senso e se espelhe em posturas responsáveis como a o do governo gaúcho que tem buscado, sem pânico, implantar ações de prevenção."

:: Deputado estadual Pepe Vargas (PT): "Chega Bolsonaro, reconheça sua limitada atuação, inteligência e falta de decência. Suas palavras sempre são de ameaça, conflito, deboche e irresponsabilidade. O mundo sofre. E agora esta ‘criatura’ faz um pronunciamento para brincar. Pede união e reforça o conflito com a imprensa, com governadores e prefeitos! O absurdo dos absurdos, vimos hoje (terça-feira) em rede nacional".  (via redes sociais)

:: Deputado estadual Carlos Búrigo (MDB): "Nesse momento, o discurso mais importante a se ouvir é o da tranquilidade. Precisamos manter a quarentena para evitar a propagação dos casos e para ganhar tempo na ampliação dos leitos. O cenário muda a todo instante. Nos próximos dias será possível fazer uma avaliação mais ponderada sobre os setores que terão condições de retomar as atividades gradativamente". 

:: Presidente da Câmara de Vereadores, Ricardo Daneluz ( PDT): "Estamos vivendo um momento muito difícil em nosso país. O coronavírus chegou no momento em que a nossa economia começava demonstrar sinais de melhora. Várias medidas foram tomadas em nível federal, estadual e municipal conforme orientações e estratégias das áreas da saúde e de governos. Penso que o mais breve possível, digo início de abril, as atividades profissionais necessitam ser retomadas, ficando em isolamento somente os grupos de risco, principalmente idosos. Ao contrário disso, os danos poderão ser muito piores para a vida das pessoas. Importante também canalizar de forma maciça os recursos para a área da saúde. Quanto à fala do presidente Bolsonaro, ele poderia falar menos, deixar sua equipe de ministros, que tem propriedade nos assuntos, falar". 

Leia também
Confira como os partidos em Caxias se posicionam com relação à cogitação de adiamento do processo eleitoral
Sessões na Câmara de Vereadores de Caxias serão retomadas após o dia 5 de abril 


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros