Impeachment volta a  "assombrar" família Guerra - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante19/02/2020 | 07h00Atualizada em 20/02/2020 | 11h40

Impeachment volta a  "assombrar" família Guerra

Após Daniel perder o mandato de prefeito de Caxias, agora seu irmão e vereador Chico está na mira do ex-vice-prefeito

Impeachment volta a  "assombrar" família Guerra Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Um dia após visitar o prefeito Flávio Cassina (PTB) e o vice-prefeito Elói Frizzo (PSB), o ex-vice-prefeito Ricardo Fabris de Abreu voltou à rotina de protocolar pedido de impeachment. Depois de ter conseguido derrubar seu companheiro de chapa do pleito de 2016, o ex-prefeito Daniel Guerra (Republicanos), o alvo agora é o irmão e vereador Chico Guerra, do mesmo partido. 

Chico retorna nesta quarta-feira (19) à Câmara, após os 60 dias de suspensão resultante justamente do caso do "corretivo", um dos itens do pedido de cassação. Trata-se do episódio em que Chico usou a expressão, em diálogo vazado, em represália ao presidente da Associação de Moradores do Bairro Cânyon, Marciano Corrêa da Silva. 

Leia mais  
Ex-vice-prefeito de Caxias, Ricardo Fabris de Abreu protocola pedido de impeachment de Chico Guerra

É difícil que o desejo de Fabris evolua, pelo menos neste item, considerando que a Câmara já puniu o vereador com a suspensão. 

A outra situação apontada é delicada, pois remete à possibilidade de nepotismo ao ter exercido a chefia de Gabinete no governo do irmão. Na argumentação, Fabris diz que Chico fazia as vezes de vice-prefeito e com anuência do prefeito interferiu diretamente nas decisões de governo e ultrapassou os limites éticos e legais aceitáveis.

Porém, vale lembrar que na semana passada, a Câmara não aceitou a admissibilidade do pedido de impeachment do vereador Rafael Bueno (PDT), tendo como base o episódio em que o parlamentar arremessou um tijolo contra um vizinho, em 2016. Em outubro do ano passado, o Legislativo também rejeitou pedido de impeachment contra Alceu Thomé (PTB). O documento protocolado na Câmara se amparava em processo sobre suposta exploração sexual de uma adolescente. 

Uma decisão favorável ao documento apresentado pelo ex-vice virá carregada de desgaste para os vereadores. A acusação de diferença de critérios para aceitar pedidos contra os parlamentares será inevitável. Como ficará o discurso no caso de outros possíveis pedidos?

:: A nova investida do ex-vice envolvendo os desafetos, considerando que Fabris quer a inelegibilidade de Chico por oito anos, deixa no ar a sensação de que há temor em relação ao peso do nome Guerra na eleição de outubro. 

Leia também  
"Ao voltarmos não conseguiremos fazer milagres em meio a tanta farra", diz ex-prefeito de Caxias 
Mais de 20 mil votos ficarão vagos para a disputa a vereador em Caxias do Sul na próxima eleição
Câmara acolhe pedido de impeachment do prefeito de Farroupilha
Prefeito de Farroupilha volta atrás sobre compras de terrenos e plataforma de saúde
Novo elege primeiro diretório municipal em Caxias do Sul 

Novo elege primeiro diretório municipal em Caxias do Sul 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros