Coordenador da Parada Livre, em Caxias, é CC no Governo Cassina - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante19/02/2020 | 18h13Atualizada em 19/02/2020 | 18h52

Coordenador da Parada Livre, em Caxias, é CC no Governo Cassina

Sandro Maurício da Silva está na Secretaria da Cultura

Coordenador da Parada Livre, em Caxias, é CC no Governo Cassina Lucas Amorelli/Agencia RBS
Sandro, no plenário da Câmara de Vereadores, comemorando o impeachment de Daniel Guerra Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

A Parada Livre está representada no governo de Flávio Cassina (PTB) e Elói Frizzo (PSB). Sandro Maurício da Silva, que é da coordenação do evento, ocupa cargo em comissão (CC) na Secretaria Municipal da Cultura. A portaria de nomeação foi publicada nesta quarta-feira (19), contando a partir de 10 de fevereiro. A função é de coordenador, um CC 6, salário de R$ 3.743,67.

A Parada Livre era um dos assuntos que integrava o pedido de impeachment protocolado pelo ex-vice-prefeito Ricardo Fabris de Abreu e levou à cassação do então prefeito Daniel Guerra (Republicanos), em função da não-liberação da Rua Marquês do Herval, junto à Praça Dante Alighieri, para realização do evento. A Parada ocorreu no local por decisão judicial.

No dia em que se iniciou a sessão de julgamento na Câmara de Vereadores, desfilou pelo Centro como a drag queen Valma Classic Kieer, sua personagem, em um caminhão de som, que depois estacionou em frente à prefeitura, manifestando-se em defesa do impeachment.

Sandro foi CC nos governos de José Ivo Sartori (MDB) e de Alceu Barbosa Velho (PDT). É filiado ao Pros. Na foto, ele aparece comemorando a aprovação do impeachment de Guerra.

Vestido da rainha

Em 2013, Sandro protagonizou uma polêmica. Como Valma, usou o traje da rainha da Festa da Uva de 2010, Tatiane Frizzo, na  6ª Parada Livre de Esteio. Tatiane, que atualmente é vereadora pelo Solidariedade, havia emprestado o vestido para compor uma decoração no saguão da Secretaria Municipal da Cultura. Sandro retirou o traje sem autorização.

Leia também  
Após cumprir punição de 60 dias, Chico Guerra volta para Câmara: "Voltei para ser a voz do povo"
Impeachment volta a"assombrar" família Guerra
"Ao voltarmos não conseguiremos fazer milagres em meio a tanta farra", diz ex-prefeito de Caxias 
Mais de 20 mil votos ficarão vagos para a disputa a vereador em Caxias do Sul na próxima eleição
Câmara acolhe pedido de impeachment do prefeito de Farroupilha 


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros