Período de permanência de vereador licenciado como secretário municipal, em Caxias, provoca questionamentos - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante23/01/2020 | 13h43

Período de permanência de vereador licenciado como secretário municipal, em Caxias, provoca questionamentos

Se for concorrer à reeleição, Paulo Périco deve sair em 4 de abril

Período de permanência de vereador licenciado como secretário municipal, em Caxias, provoca questionamentos Porthus Junior/Agencia RBS
Paulo Périco, ao centro, assumiu como secretário da Cultura Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

O anúncio de novos secretários municipais confirmou o vereador Paulo Périco (MDB) na Secretaria da Cultura, como era esperado. Mas o tempo de permanência do emedebista já é assunto para questionamentos. Se ele concorrer à reeleição, deve deixar o cargo até 4 de abril, prazo para desincompatibilizações, e retornar à Câmara. Périco diz que ainda não tem esta decisão, mas afirma que gostaria de ir à reeleição. 

— Precisamos ver as questões políticas. Tudo depende de como será nosso trabalho na secretaria. Só vou decidir em março. Gostaria de ir à reeleição, sim, mas quero entrar na secretaria com tranquilidade e fazer os projetos. 

Leia mais  
Mais nove nomes no 1º escalão do novo prefeito de Caxias do Sul

Além de ser constrangedor ter que dizer que ficará por pouco tempo, entra em questão a possível visibilidade política neste período. Périco se licenciou da Câmara ontem e, terça-feira, o primeiro suplente do MDB, Adriano Bressan, assume a vaga na sessão da Comissão Representativa. 

MDB nega indicação

Mesmo com vários filiados na administração de Flávio Cassina (PTB) e Elói Frizzo (PSB), sendo que Périco é o nome mais significativo politicamente, já tendo presidido o partido, o MDB segue dizendo que não entrou no governo.  

O presidente do MDB, Ari Dallegrave, diz:

— O partido não entrou no governo. (O partido) Não foi chamado, não foi convidado a participar. Portanto, não está no governo. Não opinou, não fez nada. O MDB não indicou, nem vai indicar (nomes), é escolha individual do prefeito.

Dallegrave frisa que a nota oficial divulgada pelo MDB em 8 de janeiro, um dia antes da eleição indireta para a prefeitura, em que fazia tais afirmações mediante deliberação do diretório municipal, continua valendo. 

Périco também diz que não é cargo do partido. 

— Estou sendo convidado pelo prefeito. O MDB não indicou ninguém, foi um convite do prefeito Cassina como colega vereador. É um momento que a gente tem que ajudar o município — afirma.

Ajudando a construir

Conforme consta na nota oficial do MDB, "passada a transição, que para esta finalidade se fixa em 60 dias da posse interina, caso na constituição do governo definitivo sejam confirmados nomes já em cargos na transição, ou, se o partido seja chamado oficialmente a colaborar, mais uma vez o diretório será convocado para decidir o caminho a ser trilhado".

Neste momento, segundo Ari Dallegrave, o filiado convidado aceita se quiser.

— O partido tolera (a participação no governo) durante a transição. O MDB está ajudando a construir a transição. Depois, o partido vai deliberar.

:: Não há como o detentor do cargo se desvincular da ligação partidária. Como não associar Périco, que é vereador, ao MDB, por exemplo?

Leia também
Vereador de Caxias reclama de cobranças ao Governo Cassina e fala em "amenizar"
Ex-procuradora-geral do município será assessora na Câmara de Vereadores de Caxias do Sul
Discurso de independência se amplia na Câmara de Vereadores de Caxias
Ex-vereador anuncia que é pré-candidato a prefeito de Caxias do Sul 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros