"Seria um dos 23 vereadores", diz futuro presidente da Câmara de Caxias, sobre novo prefeito, em caso de impeachment - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante14/12/2019 | 08h40Atualizada em 15/12/2019 | 11h52

"Seria um dos 23 vereadores", diz futuro presidente da Câmara de Caxias, sobre novo prefeito, em caso de impeachment

Nos bastidores, já é considerado certo que Flavio Cassina será escolhido em uma eventual eleição indireta

"Seria um dos 23 vereadores", diz futuro presidente da Câmara de Caxias, sobre novo prefeito, em caso de impeachment André Tajes/Agencia RBS
Vereadores Ricardo Daneluz, Alberto Meneguzzi, Edson da Rosa e Flavio Cassina Foto: André Tajes / Agencia RBS

O futuro presidente da Câmara de Vereadores, Ricardo Daneluz (PDT), que toma posse no próximo dia 2 de janeiro, acredita que o desfecho do processo de impeachment do prefeito Daniel Guerra ocorra ainda em 2019. Se a votação ficar para janeiro do próximo ano e ocorrer o impeachment, ele assume como prefeito até a realização de eleição indireta. Porém, segundo ele, se assumir a prefeitura, será "por alguns dias". 

Daneluz também afirma que o prefeito que sairá dessa eleição indireta será um vereador. Ele fez as afirmações em entrevista à rádio Gaúcha Serra, nesta sexta-feira (13). 

— Essa questão de uma possibilidade de um impeachment, eu penso que esta votação vai acontecer ainda neste ano, mas na eventualidade de termos que assumir por alguns dias a prefeitura de Caxias do Sul, seria num período até se fazer uma nova eleição dentro da Câmara de Vereadores. Se isso acontecer, vamos fazer isso com muita dedicação e muito trabalho pela nossa Caxias do Sul, que é o que temos feito como vereador até o momento.

A emenda à Lei Orgânica Municipal, aprovada pela Câmara na terça-feira (10), diz que vagando os cargos de prefeito e vice-prefeito, a eleição indireta deve ser realizada no prazo de até 30 dias.

— Não sei dizer quanto tempo, porque é algo novo, nunca aconteceu em Caxias do Sul — acrescentou sobre no caso de ter que assumir.

— Penso eu que seriam alguns dias até essa eleição (indireta), uma semana, duas, até que se chame a eleição indireta para que algum dos vereadores seja eleito e toque adiante.

E frisou:

— Seria um dos 23 vereadores (o novo prefeito).

Participação

No projeto de emenda à Lei Orgânica, nada consta sobre a participação na eleição indireta. Porém, a informação é de que qualquer cidadão que preencha os requisitos para ser prefeito ou vice pode participar. 

O vereador Elói Frizzo (PSB) informa: a partir de 21 anos, ter filiação política há um ano e estar há seis meses no último partido, estar em pleno exercício dos direitos políticos e ter domicílio eleitoral em Caxias do Sul.

O parecer da Comissão Processante do impeachment de Guerra será conhecido na próxima quarta-feira. 

Nos bastidores nos meios políticos, as informações são de que a votação deve ocorrer antes do Natal, em sessão extraordinária.

Nomes

Havendo a cassação de Guerra em 2019, quem assume é o atual presidente Flavio Cassina (PTB). Seu nome já é considerado certo como o escolhido se for realizada eleição indireta. A dúvida é o vice.

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros