Após impeachment, a expectativa para 2020 em Caxias do Sul - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante31/12/2019 | 09h00Atualizada em 31/12/2019 | 09h00

Após impeachment, a expectativa para 2020 em Caxias do Sul

Flavio Cassina (PTB) quer continuar como prefeito e concorre na eleição indireta

Após impeachment, a expectativa para 2020 em Caxias do Sul Antonio Valiente/Agencia RBS
Flavio Cassina pretende continuar no comando por via indireta Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

O encerramento de 2019 veio com o fato político histórico de grande repercussão e desdobramentos para Caxias do Sul. A eleição de Daniel Guerra (Republicanos) para a prefeitura em 2016 foi um marco ao derrotar o grupo que comandava a cidade há 12 anos. Desta forma, a cassação decretada por 18 vereadores no último dia 22 confirmou o que vinha sendo desenhado desde a vitória, nunca absorvida pelos adversários. 

Guerra fez de tudo para não amenizar o clima de embates políticos. Acabou entrando em colisão com o vice-prefeito que escolheu para compor sua chapa. Ricardo Fabris de Abreu (sem partido) renunciou em dezembro de 2018, mas conseguiu o que vinha tentando desde 2017: tirar Guerra do poder. 

Leia mais  
PTB e PSB realizam convenções para criar chapa para candidatura a prefeito de Caxias 
"Esperamos que Caxias não fique enterrada nisso", diz vereador Fiuza sobre impeachment

O prefeito cassado jogou com a sorte, sabendo que sua popularidade era atingida e que perdia os poucos apoios que possuía na Câmara, que iam além das duas únicas cadeiras ocupadas por governistas. Foi um ano tenso e repleto de ausências do então prefeito, poucas delas justificadas com apresentação de resultados. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 24/12/2019. Após a saída de Daniel Guerra do cargo de prefeito de Caxias do Sul no domingo, o prefeito interino Flavio Cassina (PTB) anunciou o novo secretariado da administração municipal. O anúncio ocorreu na manhã desta terça-feira (24). (Porthus Junior/Agência RBS)
Foto de Daniel Guerra está na galeria de ex-prefeitosFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

Com os ex-ocupantes do Centro Administrativo de volta ao poder, tendo o vereador Flavio Cassina (PTB) no posto de prefeito interino (e querendo permanecer via eleição indireta), a tônica é "a devolução da cidade" para a comunidade. E, claro, de olho nas eleições de outubro do ano que se inicia. Mas, a partir da aprovação do impeachment, o desafio de quem tirou Guerra, eleito com 148.501 votos, é provar que pensa no bem-estar e em melhorias para a sociedade. 

Leia também  
Foto do futuro presidente da Câmara e prefeito interino de Caxias mostra rotina no interior
Suplente retorna à Câmara de Vereadores de Caxias no dia 7 de janeiro
Bancas de jornais e revistas são devolvidas aos proprietários em Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros