Queda de braço na Justiça marca processo de impeachment de Daniel Guerra - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante07/11/2019 | 07h00Atualizada em 07/11/2019 | 07h00

Queda de braço na Justiça marca processo de impeachment de Daniel Guerra

Com liminar obtida nesta quarta-feira, prefeito ganha mais tempo

Queda de braço na Justiça marca processo de impeachment de Daniel Guerra Felipe Nyland/Agencia RBS
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Nova reviravolta marca o processo de impeachment do prefeito de Caxias do Sul, Daniel Guerra (Republicanos). Previsivelmente, virou um confronto de liminares judiciais. E deve acabar enterrando as intenções da Câmara de Vereadores de acelerar o andamento do processo para que seja encerrado ainda em 2019, mirando a cassação do prefeito antes do ano eleitoral.

Com a liminar favorável ao prefeito, concedida nesta quarta-feira (6)pelo juiz da 2ª Vara Cível (Especializada em Fazenda Pública), João Pedro Cavalli Júnior, determinando a ineficácia da notificação feita na terça-feira pela Comissão Processante da Câmara sobre o prosseguimento do processo, Guerra ganha mais tempo. E é isso exatamente que interessa ao chefe do Executivo.

Leia mais  
Anulada notificação de prosseguimento do processo de impeachment do prefeito de Caxias
Prefeito de Caxias é notificado sobre prosseguimento do processo de impeachment
Por precaução, comissão notifica Daniel Guerra do prosseguimento do processo de impeachment
Prefeitura de Caxias e Câmara travam disputa por prazos do impeachment de Daniel Guerra   

Esta é a segunda liminar que a defesa do prefeito consegue. A primeira, que anulava a notificação sobre a abertura do processo feita pela Comissão Processante em 14 de outubro, acabou derrubada judicialmente pela Câmara. 

E a cidade vive o desgaste dessa disputa política e da falta de relacionamento entre as instituições.

Seria interessante se o prefeito passasse a ser mais presente em sua comunidade, melhorasse o relacionamento com a sociedade, valorizasse as demandas apresentadas por meio de vereadores e evitasse atitudes que não têm explicação e só geram conflito – a exemplo do veto à bênção dos freis capuchinhos na Praça Dante Alighieri, à entrega de material de combate ao suicídio e à realização da Parada Livre na Rua Marquês do Herval, ao lado da praça central.

Diante disso, a oposição mais ferrenha poderia aguardar pela eleição municipal para que seja decidido nas urnas o futuro político-administrativo de Caxias. 

Mas é difícil imaginar todo esse cenário.

Leia também  
Região teria 32 municípios a menos
MDB de Caxias do Sul faz homenagem a Pedro Simon
Justiça suspende processo de cassação de mandato de vereador de Farroupilha  
Inscrições para concurso público da Codeca com salários de até R$ 8 mil se encerram nesta quinta-feira
Chama atenção saída da titular do Turismo de Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros