PSL de Caxias aguarda orientações após anúncio de saída de Bolsonaro - Colunas da seção Mirante - Política: deputados, prefeitos e mais - Pioneiro
 
 

Mirante15/11/2019 | 06h30Atualizada em 15/11/2019 | 15h26

PSL de Caxias aguarda orientações após anúncio de saída de Bolsonaro

Executiva municipal, conforme presidente da sigla, está coesa em seguir para o partido a ser criado, Aliança pelo Brasil

PSL de Caxias aguarda orientações após anúncio de saída de Bolsonaro Mateus Frazão/Agencia RBS
Presidente do PSL caxiense, Renato Toigo, diz que intenção é formar uma frente de direita da Serra Foto: Mateus Frazão / Agencia RBS

O PSL de Caxias do Sul já manteve conversa com o Podemos do ex-vice-prefeito Antonio Feldmann, lançado para a disputa ao Executivo municipal, e pretende manter encontro com Carlos Búrigo, provável candidato do MDB. O PP e o DEM também estão entre os contatos previstos. A intenção é a formação de uma frente de direita na Serra Gaúcha. O problema, porém, é a indefinição que cerca a sigla com o anúncio de saída do presidente da República, Jair Bolsonaro.

O presidente do PSL caxiense, Renato Toigo, diz que a executiva municipal (ele não fala em nome dos filiados) está coesa em seguir com Bolsonaro para o novo partido a ser criado, Aliança pelo Brasil. Eles aguardam orientações. Não há garantia de que a  legenda esteja apta para as eleições municipais de 2020.

Toigo diz que, no próximo dia 21, haverá reunião nacional do PSL com Bolsonaro para determinar as diretrizes de comportamento do partido. E, no dia 23, haverá reunião do diretório do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, com as orientações vindas de Brasília.

A dúvida, naturalmente, se reflete com força nas próxima eleições. O partido tem nomes para concorrer a vereador, mas se saírem da sigla, podem ficar de fora do pleito diante da indefinição sobre a formalização do Aliança pelo Brasil.  

O assessor do deputado federal do PSL gaúcho Bibo Nunes, Daniel Santos, por exemplo, é um dos que pretende concorrer a vereador e afirma que migrará de partido com a saída de Bolsonaro. 

— Estou aguardando orientações sobre como proceder, tanto eu quanto os demais que têm pretensão de concorrer a vereador. Da minha parte, irei me desfiliar — diz.

Bibo, que tem incentivado as desfiliações, diz nas redes sociais que será uma honra se for expulso. Assim, poderá se filiar no novo partido sem risco de perda de mandato. 

Já para concorrer a prefeito de Caxias, eventuais cotados na linha bolsonarista não podem dar uma resposta, pois também não sabem se estará concretizado o novo partido. Apesar de todo esse imbróglio político-partidário, Renato Toigo diz que a intenção é ter cabeça de chapa ou a vice.

:: O presidente Bolsonaro disse nesta quinta-feira (14) que irá se desfiliar na semana que vem. "Não tem pressa", afirmou.
:: Aliança pelo Brasil seria a Aliança Renovadora Nacional (Arena) do momento.

Leia também  
Prefeitura de Caxias consegue barrar leis que determinavam mais transparência a processos administrativos
Justiça indefere ação popular que pedia que procuradora-geral deixasse defesa de impeachment do prefeito de Caxias
Projeto propõe que condenados na Lei Maria da Penha sejam proibidos de nomeação para cargos públicos em Caxias
Conheça as propostas do estudo para a concessão do transporte coletivo de Caxias do Sul
Polêmica envolvendo Parada Livre em Caxias do Sul tem fundo político
PDT de Caxias, indignado com TRE, defende ex-prefeito 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros